A Presidenta Dilma Rousseff se reelege para um mandato de mais 4 anos com um percentual de 51,45% dos totais de votos contra 48,55% de seu adversário Aécio Neves (PSDB). Depois de uma disputa bem concorrida e debates inflamados de acusações.

Além de ter sido a mais acirrada eleição para Presidente ocorrida no Brasil desde a vitória das Diretas Já, foi a que mais causou divisão no país, deixando bem notório o xenofobismo em certas regiões: Sudeste x Nordeste através das redes sociais.

Ouviu-se um movimento sendo criado pelos eleitores da oposição para uma caminhada e abaixo assinado de um pedido de impeachment à atual Presidenta.

Publicidade
Publicidade

Logo se vê que não será uma tarefa fácil para os próximos 4 anos para a atual Presidenta: unificar o país e criar um bom diálogo com o Congresso para que possa implementar seu programa de Governo, que não demorou muito e o Congresso vetou o decreto presidencial que regulava a criação de conselhos populares. O que se pode perceber no retorno ao trabalho pós-eleição foi uma briga de egos de oposição. E "oposição" onde o que conta mais são as feridas particulares... a pergunta que não quer calar é: essa oposição realmente fiscalizará a favor do povo ou agirá como uma criança que perdeu o jogo ?

O Brasil precisa focar suas forças agora para a real mudança... E uma coisa é certa: assim como foi uma das #Eleições mais acirradas, foi também a que o brasileiro mais buscou saber sobre politica e seus candidatos.

Publicidade

Provavelmente foi a primeira eleição em que os eleitores ou o maior número deles realmente votaram consciente.

O que marca esse final e início de mandato da Presidenta também é o novo nome para o Ministro da Fazenda. Entre os cotados estão: Nelson Barbosa que integrou por 10 anos a gestão do PT; Luiz Trabuco, economista e atual presidente do Bradesco; Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central no Governo Lula (2003-2010) e Alexandre Tombini, atual presidente do Banco Central.

O nome do novo Ministro deverá ser conhecido antes da reunião do G-20, que acontece dias 15 e 16 de novembro.