A maior fabricante britânica de medicamentos, a GlaxoSmithKline (GSK), afirmou no último sábado, 18 de outubro, que o desenvolvimento de uma vacina contra o vírus #Ebola está avançando rapidamente. O vírus, que já matou mais de 4.500 pessoas na África Ocidental e já foi transmitido para duas pessoas em solo americano, assusta o mundo devido às suas formas de transmissão, entre elas através de fluidos, sangue e secreções; e à ausência de uma vacina. No momento, quando uma pessoa é infectada, ela é isolada e seus sintomas são tratados.

Segundo a GSK, a fase 1 dos testes iniciais foram feitas em segurança e espera-se que os dados preliminares dos testes estejam prontos até o fim do ano.

Publicidade
Publicidade

Após a confirmação de sucesso da fase 1, será iniciada a fase 2 em 2015, fase em que 10.000 doses serão usadas para testes. Serão vacinados os profissionais de saúde da linha de frente em Guiné, Libéria e Serra Leoa. A maior parte das 4.500 pessoas que o Ebola matou viviam nesses três países.

A vacina cAd3-ZEBOV está sendo desenvolvida a partir da inserção do gene do vírus Ebola no adenovírus (vírus da gripe comum) de chimpanzé, para que ele contenha dois genes do vírus Ebola. A vacina desenvolvida pela GSK é uma das duas vacinas consideradas promissoras pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

A partir do teste do vírus em animais, observou-se que que quando uma célula é infectada pelo adenovírus, os genes ebola são capazes de produzir proteínas inofensivas. Então, essas proteínas estimulam o sistema imunitário para que os anticorpos sejam produzidos.

Publicidade

A vacina foi adquirida pela GSK, depois que a empresa comprou a Okairos, empresa suíça de biotecnologia, por 250 milhões de euros em 2013.

A previsão é de que a vacina comece a ser comercializada apenas em 2016. Segundo o chefe do programa de pesquisa sobre a vacina, Dr. Ripley Ballou, a vacina só pode ser usada na população após ser testada e ter sua eficácia e segurança analisadas. Afirma também que são necessários entre sete e dez anos para que uma vacina seja desenvolvida, mas que estão comprimindo esse processo em apenas um ano. E mesmo assim o processo está demorando mais do que gostariam.