O Ministério da Saúde anunciou hoje, dia 30 de outubro, que a vacinação contra a paralisia infantil acontecerá de 8 até 28 de novembro de 2014 com o objetivo de vacinar mais de 12,7 milhões de crianças. Crianças na faixa etária de 6 meses a 5 anos devem ser vacinadas. Serão disponibilizadas mais de 17 milhões de doses em gotas para todas as unidades da federação. Pretendem também disponibilizar e distribuir a imunização em doses injetáveis para crianças acima de 6 meses que estejam com a vacinação atrasada.

Serão mais de 100 mil postos de vacinação em todo o Brasil. Ocorrerá uma campanha de divulgação da vacinação, que será realizada por meio de propagandas em televisão, rádio, jornais e revistas utilizando como personagem principal o Zé Gotinhas e a Peppa Pig.

Publicidade
Publicidade

Os Minions também serão utilizados em campanhas publicitárias.

A poliomielite é uma doença contagiosa (viral) que afeta crianças menores de 5 anos. Ela pode causar paralisia em algumas horas e, em alguns casos, pode ser fatal. A paralisia pode ser parcial ou total. O poliovírus se espalha por contato direto, pessoa a pessoa, por meio de muco, catarro e fezes infectadas. Entra pela boca e nariz, se multiplica na garganta e trato intestinal e se espalha pelo sistema sanguíneo e linfático.

Existem três padrões da doença, sendo: sub-clínica, não paralíticas e paralíticas. Alguns sintomas da paralisia sub-clínica são: dor de cabeça, febre, garganta vermelha e mal estar. A criança pode apresentar ou não os sintomas, mas quando surgem costumam durar 72 horas. A paralisia não paralítica pode apresentar alguns sintomas, tais como: diarreia, dor nas costas, dores lombares, rigidez muscular nas pernas, panturrilha, no pescoço e vômitos.

Publicidade

Já a paralítica apresenta alguns sintomas únicos, como: febre 5 a 7 dias antes dos outros sintomas, dificuldade para urinar e respirar, constipação, dores abdominais, sensibilidade ao toque, etc.

A poliomielite pode ocorrer durante viagens a países onde a doença ainda é comum, como alguns países da África e Ásia. Nos demais países a doença está controlada devido às grandes campanhas de vacinação. O Brasil não registra casos da doença há 25 anos. Portanto, para continuarmos sem registros desta doença em nosso país, aconselha-se aos pais e responsáveis pelas crianças levá-las ao posto de vacinação mais próximo a sua residência para que recebam a dose de imunização. #Família