O termo câncer designa um grupo de doenças que tem como caraterística comum o crescimento descontrolado de células. Ao se agruparem, estas células formam um tecido anormal, o tumor. Quando essas células são transportadas pelo sangue para outras regiões do corpo podem se agrupar de novo e formar tumores secundários. Esse processo é conhecido como metástase. Alguns tipos de câncer não formam tumores, é o caso da leucemia.

Mas, o que faz com que uma célula cresça desordenadamente? O câncer pode ser induzido através da herança genética ou por fatores externos como a exposição, ingestão ou uso de substâncias cancerígenas, tabagismo, exposição solar prolongada e infecções virais.

Publicidade
Publicidade

A maior parte dos casos não está relacionada com os fatores genéticos.

O câncer se desenvolve lentamente mediante o contato contínuo e prolongado com os agentes cancerígenos. Algumas células saudáveis têm seus genes alterados, depois, ocorre a multiplicação descontrolada e o agrupamento para formar o tumor que é o sintoma visível. Só no século XVIII que o câncer começou a ser entendido.

Mas a cura definitiva do câncer ainda está longe. Embora a sobrevida dos doentes de câncer tenha aumentado, não necessariamente com qualidade de vida, milhares continuam indo a óbito por conta dos debilitantes efeitos colaterais causados pelos tratamentos para combater determinados tipos de câncer. Células sadias são atacadas e destruídas e para combater esses efeitos outras substâncias são medicadas, sobrecarregando assim os corpos já debilitados.

Publicidade

Por outro lado, o custo desses tratamentos é muito alto.

As campanhas de prevenção contra o câncer da mama e contra o câncer da próstata nos dão a impressão de grande preocupação com a nossa saúde. As mulheres devem submeter seus seios a irradiações para detectar tumores (por que até hoje não existe algum tipo de teste sanguíneo para detectar o câncer de mama evitando assim a radiação nociva do raios X?) e os homens ao toque retal e colheita de sangue para análise dos níveis de PSA. Mas será que apenas essas formas de prevenir o câncer são suficientes? Certamente não. Note que estamos falando apenas de dois tipos de câncer. Você já teve oportunidade de assistir campanhas da mesma envergadura sobre como prevenir os outros tipos de câncer?

Todos sabemos que substâncias químicas são usadas para produzir ou conservar alimentos, bebidas, cigarros, cosméticos, remédios, produtos de higiene e limpeza. Lemos nas etiquetas dos produtos, quando possível, o nome e as quantidades das substâncias usadas.

Publicidade

Muitas dessas substâncias constam em listas negras como agentes cancerígenos e são conhecidas dos governos e da indústria em geral. Essas substâncias provocam ou potencializam o aparecimento de tumores pois elas se alojam e acumulam em nossos tecidos internos. Nem todos os corpos suportam os mesmos níveis dessas substâncias tóxicas com as quais entramos em contato diariamente. É uma questão de tempo até aparecerem os primeiros sintomas de alterações funcionais em nosso organismo.

A IARC, "Agência Internacional para Pesquisa sobre o Câncer", ligada a O.M.S., já identificou mais de 400 agentes cancerígenos. Eles podem ser: uma substância química, mistura de substâncias químicas, radiação, hábitos pessoais, produtos caseiros, metais, partículas e fibras. O governo deveria punir exemplarmente os fabricantes que insistem em usar substâncias reconhecidamente cancerígenas em seus produtos. Temos que ser seletivos com relação aos produtos que ingerimos ou usamos diariamente. Por outro lado, embora não seja admitido abertamente, há indícios fortes de que doenças têm sua origem ou são alimentadas pelo nosso estado de espírito. Vale então ressaltar a higiene mental e espiritual como métodos de prevenção.

Com relação aos tratamentos alternativos a situação é um tanto incômoda para a medicina ortodoxa ou convencional. O motivo é a perda do lucro e para evitar essa perda vale tudo. Estão envolvidos aqui laboratórios de pesquisa, agências governamentais, fabricantes de remédios, médicos e hospitais. Os escândalos tentando minimizar resultados ou ridiculizando pesquisas e procedimentos para tratar o câncer de forma alternativa não faltam. Temos também os escândalos das pesquisas forjadas tanto do lado ortodoxo da medicina como do alternativo.

Provavelmente seguiremos assistindo o sofrimento da cura dos doentes de câncer por algum tempo a mais. Uma cura que em muitos casos não é garantida e que provavelmente continuará levando a óbito milhares de pessoas em todo o mundo. Nosso melhor remédio continua sendo a prevenção, aliada ao bom senso e informação.