Um casal gay que trocava beijos e abraços dentro de um vagão do Metrô paulista foi violentamente humilhado e agredido por cerca de quinze homens que se mostraram chocados e incomodados com a situação. O episódio ocorreu neste domingo (09), dentro da composição da Linha 1 - Azul do Metrô. Danilo Ferreira Putinato, metroviário, de 21 anos, e seu companheiro, Raphael Almeida Martins de Oliveira, bancário, de 20, tiveram que deixar o vagão em que viajavam, após serem xingados e humilhados pelo bando, que gritava expressões do tipo: "Parem de se beijar, seus viados (sic), saiam do vagão!" Como não atendessem aos apelos e ameaças dos homens, estes partiram para a agressão física, e desferiram socos, chutes e pontapés nos dois rapazes.

Publicidade
Publicidade

Raphael teve o nariz quebrado e vai passar por cirurgia. O caso foi registrado na Delegacia do Metropolitano (Delpom) e será investigado pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi). "Na hora eu chorei muito, me senti humilhado. Mas agora estou melhor. Isso não me abalou e eu vou continuar lutando por um Brasil mais justo, e convido todos a participar dessa luta", escreveu Raphael em sua página no Facebook.

Intolerância

Para o antropólogo Luís Mott, coordenador do Grupo Gay da Bahia, o Brasil é um dos países do mundo em que são assassinados mais gays. Segundo ele, as causas são muitas: "Seja a homofobia individual, quando o assassino tem mal resolvida sua própria sexualidade, seja a cultural, que pratica bullying contra a comunidade LGBT, seja a institucional, quando o governo não garante a segurança dos espaços frequentados por gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis", afirma Mott.

Publicidade

O episódio no Metrô de São Paulo revela, sem dúvida, mais uma vez, a intolerância e o preconceito de uma parte da sociedade contra a orientação homossexual de uma minoria. Segundo militantes e políticos defensores da causa LGBT, torna-se cada vez mais urgente a aprovação pelo Congresso de uma legislação contra a homofobia, devido ao número assustador (mais de 50 mil, segundo as últimas pesquisas) de assassinatos de gays no Brasil.