Ontem (26), foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal de São Paulo o projeto que visa desativar o Minhocão (Elevado Costa e Silva), banir o uso de carros no espaço e criar o Parque Minhocão. O projeto faz parte do Plano Diretor criado pelo atual prefeito Fernando Haddad (PT). A proposta foi assinada por oito governadores e após ser aprovada pela comissão, agora segue para ser votada em plenário.

O fim do Elevado Costa e Silva é um assunto cada vez mais debatido entre os paulistas. Há os que preferem a demolição, há os que preferem um parque e ainda há os que preferem que tudo permaneça como está, com o espaço reservado para os carros.

Publicidade
Publicidade

O final definitivo do Elevado deve entrar na pauta de votação do plenário no final desse ano, junto a mais 11 propostas do Executivo e mais de 120 propostas de vereadores.

Apesar de ser um tema bem polêmico, o fim do Minhocão recebe cada vez mais apoio dos paulistas e principalmente de associações e dos moradores da região. Ambientalistas e outros coletivos também são favoráveis a desativar uma área de trânsito carregado e consequentemente alta emissão de gás carbono na cidade. O prefeito Fernando Haddad e parte de sua equipe de gestão também têm adesão.

A maior crítica ao fim do Minhocão tem sido debatida para que o problema seja solucionado. Técnicos já alertam o prefeiro que será necessário uma nova alternativa viária para a cidade, já que o elevado era utilizado por milhares de pessoas todos os dias, sendo uma importante via que liga as regiões leste e oeste da cidade.

Publicidade

Em média, 6 mil carros passam em cada sentido da via todos os dias. É um fluxo semelhante ao da Avenida 23 de Maio, outra área com muito movimento.

O vereador Police Neto afirma que já há alternativas a caminho. A linha 6 - Laranja do metrô será uma opção para percorrer parte do percurso, assim como a Expresso Norte, prevista pelo Estado para 2020 e que passará pelo Centro, área do Minhocão, Marginal e Perus, bairro da zona norte. Outra preocupação, segundo o vereador, é criar meios para impedir que haja especulação imobiliária na região. #Governo