O Brasil vivia sob o regime monárquico entre os anos de 1822 a 1889 e teve dois imperadores: D. Pedro I e D. Pedro II. Entretanto, este regime não correspondia mais aos anseios da população e às necessidades sociais que estava em processo. O Brasil era o único país independente do continente americano, governado por um monarca. A maioria da população urbana desejava um sistema em que houvesse mais liberdades econômicas, mais democracia e menos autoritarismo. D. Pedro II interferia muito nas questões religiosas e provocou atritos com a Igreja Católica. Os militares estavam descontentes, pois, além da censura imposta pelo regime monárquico, ocorriam rumores de corrupção existente na corte. As Classes médias e profissionais liberais desejavam mais liberdade política. A elite agrária desejava mais poder político.

Assim, em 15 de novembro de 1889, no Rio de Janeiro, o Marechal Deodoro da Fonseca liderou um golpe militar que derrubou a Monarquia e instaurou a República Federativa e Presidencialista no Brasil.

Publicidade
Publicidade

Neste dia, então, o Marechal Deodoro da Fonseca assumiu a presidência da República. (Fontes: livros de História do Brasil, historia dobrasil net, Wikipedia)

Algumas Definições

A República pode ser considerada mercantil, protestante, liberal, socialista e comunista. Um #Governo republicano é aquele em que o povo escolhe o seu chefe de estado, o presidente da república ou simplesmente "presidente", através do voto livre, secreto, de acordo com uma periodicidade definida por cada país.

O processo seletivo

A cada 4 anos, o Brasil tem a chance de mudar seu governante. O processo seletivo é simples e democrático. O povo verifica as intenções e histórico do candidato. É publicado o conjunto de propostas para executar no governo, de cada candidato, e todos possuem acesso livre a essas informações.

Publicidade

Para se candidatar, o cidadão precisa cumprir algumas condições que estão previstas na Constituição e Legislação Eleitoral, dentre elas: possuir nacionalidade brasileira ou ser naturalizado; estar em pleno exercício dos direitos políticos; estar alistado na Justiça Eleitoral; ter domicílio eleitoral na circunscrição há pelo menos um ano antes do pleito, ser filiado a um partido político há pelo menos um ano antes da eleição e possuir idade mínima que é verificada na data da posse.

Não existe um rigor quanto às exigências técnicas, tal qual nível superior de escolaridade, área de formação, certificações, evidência de realizações na área política ou comprovação de experiência em gestão. Não se aplica provas de conhecimentos gerais ou específicas. Apenas prova oral está contemplada, em que os discursos e confrontos ou debates dos candidatos são avaliados. Vivemos em uma democracia e, segundo a constituição federal, é vetada a discriminação. Conforme seu Art. 3º "Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação."

A República hoje

Em outubro de 2014 ocorreu o resultado do processo seletivo, para o período de 2015 a 2018, e o povo definiu pela continuidade do atual governante.

Publicidade

Foi bastante extenuante. Ocorreu em dois tempos, pois ficou evidente a dificuldade de consenso. O povo estava dividido e a disputa foi acirrada. Agora é necessário tornar transparente o tipo de república que vivemos e qual queremos? Devemos conhecer e prezar pelos princípios, direitos e deveres individuais e coletivos.

Viva o Marechal Deodoro da Fonseca! Viva o povo brasileiro! Viva a República Federativa do Brasil!