A Serasa Experian divulgou no dia 4 o resultado do estudo Mapa da Inadimplência no Brasil realizado no primeiro semestre do ano. Foram estudadas pessoas com mais de 18 anos com dívidas superiores a R$ 200. De acordo com o levantamento, a taxa de inadimplência de Florianópolis é a menor entre as capitais, 22,3%. Vindo em segundo lugar, São Paulo e logo após, Campo Grande.

As capitais mais inadimplentes pertencem à região Norte do país: Manaus, seguida por Porto Velho e Macapá. Segundo economistas da Serasa, o alto índice de inadimplência de Manaus e de outras capitais da região Norte e Nordeste se deve à renda per capita menor dessas capitais em comparação à de capitais do Centro-Sul.

Publicidade
Publicidade

Analisando-se a taxa de inadimplência de acordo com regiões, a região Norte lidera com 31,1% da população; em segundo lugar vem a região Centro-Oeste, com 26,4%; em terceiro, a região Sudeste, com 24,5% e em quarto, a região Nordeste, com 23,6%; e em último, a região Sul, com 22,4%.

A explicação para o baixo índice de inadimplência no interior do Nordeste é que a maior parte da população não tem acesso ao crédito, o que faz com que a região tenha um número menor de endividados em relação ao tamanho da população.

Inadimplência no Brasil

No total, aproximadamente 24,5% da população brasileira, ou seja, 35 milhões de pessoas estão endividadas. Dos 35 milhões de inadimplentes, a maioria deles têm entre 26 e 30 anos.

Os principais responsáveis pelo aumento das dívidas dos brasileiros são o cartão de crédito e o cheque especial.

Publicidade

Segundo uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio - CNC, a maioria das pessoas que estavam endividadas em agosto (75%), tinham débitos com cartão de crédito, estes com taxas de juros mensais chegando até a 10%. De acordo com um levantamento realizado pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), os juros do cartão de crédito podem chegar a 238, 67% ao ano. Já o cheque especial chega até 8,34% ao mês ou 161,5% ao ano. #Curiosidades