Vergonhosamente o mundo exibe imagens e números exorbitantes de famintos de um lado (o lado miserável) e de hiperalimentados do outro (o lado milionário). E por paradoxal que seja não há vantagens em integrar um grupo ou outro, pois ambos representam grandes problemas econômicos e de saúde pública que só encontrarão solução em ações efetivas de médicos e governos de todo o mundo. O fórum e palco de iniciativas será com certeza a ONU e a FAO, pois senão estes nomes se transformarão rapidamente em meras siglas de boas intenções e ninguém ganhará nada com isto. Há no caminho grandes obstáculos e até o Papa por mais de uma vez já manifestou preocupação pela incapacidade dos homens em torno destas siglas agendarem um mínimo de consenso sobre o assunto.

Publicidade
Publicidade

Conflitos regionais, interesses particulares e nacionais, falta de solidariedade, terrorismo e ações isoladas ou conjuntas de grupos radicais, desgoverno, governos fracos ou ilegítimos, disputas por poder ou território, isolamentos políticos ou geográficos: Há um enorme cabedal de motivos e situações que tornam o combate à fome mais difícil e desimportante frente as emergências geradas pelos mesmos. Se há dificuldades do lado de quem deve receber ajuda, do lado de quem deve doar, as coisas não são também muito boas por uma infinidade de outros motivos não menos importantes e poderosos para inviabilizar este tão necessário objetivo. Ganância, falta de interesse, falta de solidariedade, falta de consenso, indiferença, má vontade. outros.

É constrangedor saber que apenas com o aproveitamento de tudo o que é desperdiçado no caminho entre o produtor e o consumidor de alimentos já seria mais do que suficiente para erradicar esta chaga tenebrosa que permeia toda a humanidade tão vergonhosamente.

Publicidade

Seja na produção de grãos com melhores regulagens nas colheitadeiras e nos processos de manipulação, armazenamento e transportes como na produção de bovinos, suínos, caprinos e seus derivados com planejamentos racionais de engorda, cria e recria dos animais.

Mas o que é verdadeiramente necessário é que os homens que compõem estas organizações tenham vontade firme e determinação inequívoca para debelar a fome no mundo sob pena de suas entidades se transformarem em inúteis siglas de boas intenções.