Esse sábado, 15 de Novembro de 2014, feriado nacional brasileiro, data da Proclamação da República, foi a data escolhida para organização de diversas manifestações em várias capitais do país, para protestos contra os escândalos de corrupção que tomam conta do atual governo da presidente Dilma Roussef e de seu antecessor Lula.

O principal escândalo da atualidade é o que diz respeito ao bilionário esquema de corrupção instaurado dentro da Petrobrás, envolvendo o pagamento de propina por parte de empreiteiras para altos executivos da estatal, que por sua vez repassavam esse dinheiro a partidos da base aliada do Governo, como o PT e o PMDB.

Publicidade
Publicidade

Tudo isso já foi delatado pelo ex-diretor de abastecimento da estatal, após ser preso por envolvimento em um esquema de lavagem de dinheiro com o doleiro Alberto Youssef, também detido pela operação Lava-jato da Polícia Federal. Ambos assinaram um acordo de delação premiada com a justiça, onde terão o benefício de redução de pena em troca de fornecer as informações necessárias às investigações.

Com todas essas sujeiras ocorrendo sob os olhos e total falta de atitude por parte do governo, grande parte da população resolveu ir às ruas para protestar, inclusive pedindo o Impeachment da atual presidente por utilização de recursos dessas propinas em sua campanha. Em São Paulo, por exemplo, estima-se que compareceram cerca de 35 mil pessoas, mas estranhamente muito pouco foi mencionado em diversos veículos de comunicação de grande porte.

Publicidade

Veículos de comunicação de outros países, como a norte-americana CNN, por exemplo, deram muito maior atenção aos protestos do que os veículos nacionais, como pode ser observado no site da mesma.

Esse fato nos leva a refletir se, após a vitória nas recentes eleições de Dilma Roussef para mais um mandato, já não existe uma preocupação dos grandes veículos de comunicação em manter um bom relacionamento com o governo, não divulgando os atos de protestos das ruas, visando garantir boas fatias da verba federal de comunicação.