Desta vez, não teve sucesso o tratamento feito por médicos e enfermeiros do Nebrasca Medical Center para tratar um paciente com #Ebola nos Estados Unidos. Ao contrário dos dois casos anteriores, que se curaram, o homem que chegou de Serra Leoa no sábado, o Dr. Martin Salia, estava em estado extremamente crítico. Salia, um residente permanente legal dos Estados Unidos que estava trabalhando como cirurgião em Serra Leoa, morreu na manhã de segunda-feira. Ele estava em seu segundo dia de tratamento, mas já tinha sintomas da doença há quase duas semanas. "Mesmo as mais modernas técnicas que temos à nossa disposição não são suficientes para ajudar esses pacientes, uma vez que chegam em situação crítica", disse o Dr.

Publicidade
Publicidade

Jeffrey P. Ouro, reitor da Universidade do Nebraska Medical Center.

O médico doente, de 44 anos, tinha sido testado no dia em 07 de novembro para Ebola em Freetown, capital da Serra Leoa, mas o teste deu negativo. Foi testado novamente lá em 10 de novembro e teve um resultado positivo; ou seja, teve um falso negativo quando estava no começo a doença.

Quando chegou aos EUA a situação desse paciente já era muito difícil de ser revertida. O médico lutava para respirar. No hospital americano tentaram rapidamente dois tratamentos que utilizaram em seus outros pacientes com Ebola: uma droga antiviral experimental e uma transfusão de plasma a partir do sangue de um sobrevivente do Ebola, que os pesquisadores acreditam que pode fornecer anticorpos contra o vírus. Porém, a situação crítica fez com que em poucas horas de internação o paciente já tenha precisado de diálise, pois seus rins já não funcionavam.

Publicidade

Depois, veio a insuficiência respiratória e parada cardíaca que não foi possível reverter.

Agora, o hospital está sendo higienizado para garantir que não tenha ficado vírus no ambiente e vários membros da equipe, que entraram em contato com o Dr. Salia depois que ele adoeceu, estão em quarentena.

No Brasil não há nenhum caso do vírus Ebola, mas os profissionais de saúde estão em alerta para que qualquer ameaça possa ser controlada.