O poeta Manoel de Barros faleceu nesta última quinta-feira (13) em um hospital localizado em Campo Grande - MS. Segundo o hospital, o poeta morreu de falência múltipla dos órgãos depois de realizar uma cirurgia de desobstrução do intestino e ter ficado mais de uma semana na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). O corpo do poeta foi velado e enterrado no cemitério Parque das Primaveras em Campo Grande- MS.

O Brasil perde um grande escritor, poeta, homem culto e amante da natureza. Escreveu mais de 18 livros de poesia, além de obras infantis e relatos autobiográficos, recebeu diversos prêmios literários, em 1989 recebeu pela primeira vez o prêmio Jabuti com o livro O Guardador de Águas, e em 2002 com O Fazedor do Amanhecer.

Publicidade
Publicidade

Em 2008, o cineasta Pedro Cézar lançou o documentário: Só dez por cento é Mentira, inspirado em trecho de uma poesia de Barros, que traz várias entrevistas com o poeta Manoel de Barros e alguns artistas simpatizantes das poesias e obras de Manoel. O documentário retrata um pouco da trajetória do grande escritor, de forma descontraída e com muitas pitadas de poesia.

Alguns artistas, como a atriz Elisa Lucinda e o diretor Joel Pizzini, fazem parte deste documentário contando como já utilizaram poesias de Manoel de Barros em seus trabalhos.

Manoel de Barros, cuiabano, amante da vida e da alegria, vivia com a esposa e a filha desde 1970 na região central da cidade de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, onde levava uma vida tranquila e cheia de leituras, escritas e visitas de parentes.

Publicidade

O governador do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, decretou luto oficial de 3 dias em homenagem ao poeta. A Academia de Letras do Estado, da qual Barros era titular da cadeira nº1 divulgou nota lamentando o falecimento do escritor.

Barros era perfeccionista, dizia ser impossível resumir a vida em poucas linhas. Alguns trechos do poeta estão sendo citados com frequência há algumas semanas em redes sociais e blogs. Os mais citados são: "Do lugar que estou já fui embora" e "Não preciso do fim para chegar", ambos parte da obra Livro sobre Nada.

Enquanto a #Literatura brasileira lamenta a perda do grande poeta, a família sente a falta que ele fará para todos, muito ligado aos netos e bisneto, e amante das crianças. Barros era muito ligado à família e dedicava muitas horas para diversão, conversas e encontros familiares.