Justus Uwayesu era um menino que morava no lixão e agora é um exemplo para todos, depois de sua entrada em Harvard, a melhor universidade do mundo. Durante a infância ele passou por muitas dificuldades pois seus pais não tinham estudos e morreram em um massacre. Ele e os irmãos foram salvos pela Cruz Vermelha. Aos 9 anos de idade ele morou num carro velho e queimado que estava abandonado no lixão em Ruanda.

Justus morou com mais duas crianças dentro do carro e juntos passavam o dia procurando comida e abrigo. O local era precário, não tinha chuveiro e nem outras maneiras para se tomar um banho. Ele disse que ficou um ano sem tomar banho, que passou por muitos perigos e quase foi enterrado vivo por um trator.

Publicidade
Publicidade

Nesse lixão, muitas crianças viviam na mesma situação. Mas Justus era diferente. Ele tinha o sonho de estudar. Um dia o depósito de lixo foi visitado por uma assistente social que perguntou às crianças sobre seus objetivos, o que elas queriam e esperavam da vida. Muitas responderam seus objetivos, mas queriam ficar por ali. A assistente se surpreendeu quando ouviu uma frase de um menino que disse: "Eu quero ir para a escola". Esse menino era Justus e seu desejo foi realizado.

Ele estudou e agora, com 22 anos, surpreendeu o mundo entrando em Harvard, a melhor universidade. Justus está cursando matemática, economia e direito humanos. Ele teve a oportunidade de entrar num programa que prepara alunos para o processo de entrada nas universidades. Com seus esforços ganhou uma bolsa de estudo integral para a universidade.

Publicidade

Antes de entrar para a universidade, ele estudou em Ruanda e aprendeu a falar vários idiomas. Sua nota no primeiro ano foi a melhor. Já no ensino médio suas notas abriram portas para a universidade. Ele ajudou a fundar uma entidade para ajudar alunos do ensino médio.

O sonho de um menino que morava num lixão se tornou realidade e isso prova que podemos alcançar nossos objetivos. Através da #Educação é que se constrói um mundo melhor. Mas para isso é preciso que portas sejam abertas, para que possamos alcançar o futuro.