Há soluções disponíveis para serem implementadas a partir de uma atitude firme e decisiva dos governos de São Paulo, Estadual e municipais em vários municípios da grande São Paulo. O estado de São Paulo tem água suficiente para seus habitantes tanto no subsolo como nos rios e reservatórios públicos e particulares. Entretanto essa água não está disponível nas quantidades necessárias nos locais onde o sistema atual de distribuição precisaria que estivesse. A Sabesp, que controla a maior parte do tratamento e distribuição de água na Capital e grande São Paulo, tem exaurido o sistema Cantareira até ao uso do seu volume morto, porque para tomar outras medidas são necessários o uso da engenharia e de grandes obras, caras e demoradas para a definitiva solução do problema.

Publicidade
Publicidade

Não se trata de soluções paliativas para atender a atual crise hídrica.

Paralelamente à administração da atual crise, é preciso implementar um planejamento de grandes proporções abrangendo outros rios e outras represas além do sistema cantareira. Temos, além do Rio Paraíba do Sul, o Tiete, Juquiá, Piracicaba, Capivari, Jundiaí, Ribeira e uma infinidade de rios menores, cursos d'água e afluentes que distribuem as águas das chuvas entre vários pequenos reservatórios que poderiam ser mapeados e interligados com formação de lagos maiores a partir da construção de algumas barragens. É preciso criar ao menos mais dois sistemas semelhantes ao cantareira para suprir as necessidades futuras, pois o crescimento urbano nunca para e a dependência de chuvas não é suficiente para as necessidades atuais e muito menos futuras com as dimensões existentes hoje.

Publicidade

Com os recursos da engenharia podemos evitar de passarmos dez anos como a Austrália lutando contra a seca. Nossos recursos hídricos estão aí pedindo apenas para serem pensados, organizados e manipulados de forma inteligente e precisa. É preciso vontade política e recursos financeiros e um enfrentamento sem medidas paliativas para uma solução de décadas e não meses. Com a palavra o governador Geraldo Alckmin e os prefeitos das cidades do estado de São Paulo.