Um terremoto de 7,5 graus na escala Richter atingiu nesse 15 de novembro a região das Ilhas Molucas, à leste da Indonésia. O abalo sísmico ocorreu às 10hs, horário local (meia noite em Brasília) sob o oceano, a uma profundidade de 46 quilômetros, segundo o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS), gerando tsunami. Ondas de até 3 metros vêm atingindo a costa e os moradores estão sendo orientados a buscar locais mais seguros. Não há, até o momento, informações sobre vítimas fatais, ou grandes prejuízos.

O Centro de Tsunami do Pacífico alerta para o risco de novos terremotos, que, nesta área, conhecida como Anel de Fogo do Pacífico, podem acontecer no fundo do oceano e dar origem a tsunamis monstruosos, como o que em 2004 devastou grande parte da Ásia, principalmente na Ilha de Sumatra, na Indonésia, além de vários pontos ao redor do Oceano Índico.

Publicidade
Publicidade

O tsunami matou milhares de pessoas e deixou um rastro de destruição, doenças epidêmicas e lembranças que causam tristeza e apreensão em toda a população da região.

As ondas do tsunami de hoje devem atingir, sem força, a Indonésia, Filipinas, Japão, Taiwan e ilhas do Pacífico Sul, enfim, áreas que se localizam sobre o chamado Círculo de Fogo do Pacífico, onde o grande número de placas continentais em movimento provoca a ocorrência de abalos sísmicos e vulcões. As agências sismológicas da Ásia estão em constante alerta e logo após o terremoto, os alertas de tsunami imediatamente alertaram a população e os outros centros sismológicos.

A ONU recomendou, em 2009, aos países asiáticos, propensos a essas catástrofes naturais, que reservem 10% de suas verbas de desenvolvimento para evitar ao máximo os desastres e suas consequências, principalmente em tempos de grandes alterações climáticas globais.

Publicidade

Felizmente a tecnologia tem auxiliado muitíssimo no controle do número de vítimas e prejuízos causados pelas tragédias, tanto pela qualidade dos equipamentos dos institutos de geologia, cada vez mais capazes de prever diversos tipos de desastres naturais, e também pela rapidez com que as notícias, hoje, se propagam, via internet.