Na já famosa operação 'lava jato', as buscas, apreensões, prisões e diligências estão a todo vapor e a polícia federal tem feito indiciamentos e abordagens cada vez mais frequentes e sistemáticas naqueles redutos onde já haviam sido identificados ou corruptores ou corruptos ativos ou passivos em qualquer parte do país. A polícia federal já havia prendido diretores e assessores dentro da Petrobrás. Agora prendeu diretores e funcionários de grandes empreiteiras, algumas das maiores do país e agora faltam apenas os principais interessados e mentores de toda a operação: os políticos e partidos. As empreiteiras têm protestado e repudiado as ações do ministério público e da polícia federal, alegando que têm colaborado com o andamento das investigações.

Publicidade
Publicidade

Está claro que tão somente por causa desta colaboração, os agentes da lei não podem deixar de prender um envolvido ou suspeito mesmo que seja funcionário desta ou daquela empresa colaboradora. E assim caminha em ritmo galopante as ações que já prenderam mais de 25 executivos destas empreiteiras em vários estados. Na esteira da delação premiada, Paulo Roberto da Costa, ex-diretor da Petrobrás, segue denunciando e apontando beneficiários contemplados com o recebimento de propina e outros que foram agentes de distribuição e/ou aliciamento de outros corruptos ou corruptores para o esquema grandioso e antigo que se estabeleceu no seio da maior empresa brasileira.

Para aqueles que tiverem qualquer tipo de participação, o momento é de preocupação e apreensão pois não haverá quem não seja alcançado pelo braço da justiça e da lei nas próximas semanas e meses.

Publicidade

Tal é a expectativa de todos e o rebuliço nos partidos, é notório com até algumas manifestações de dirigentes de partidos dizendo que se fulano foi indicado para exercer um cargo na Petrobrás não foi para cometer crimes e praticar corrupção. Sabemos que agora ouviremos um interminável discurso único próprio destas ocasiões de que não vi, não sei, mas como veremos não haverá como os verdadeiros culpados, políticos ou não, assumirem de vez suas falcatruas. #Governo