Em Petrolândia (SC), no final da tarde de quinta-feira, 5 de novembro, os três filhos de um casal morreram eletrocutados em uma cerca elétrica a menos de seis metros da residência. Suspeita-se que Igor de 4 anos tenha ido pegar uma bola quando encostou na cerca e ao tentar salvá-lo, Vinicius de 6 anos e a irmã Shaiana, de 14 anos, também foram atingidos pelo choque. Os bombeiros chegaram ao local as 18:58, mas o processo de reanimação foi em vão. De acordo com o bombeiro Jorge Mancila, o pai da criança teria dito que o fio que causou o acidente corria paralelo aos arames da cerca, separado por uma ripa de madeira e fornecia energia para um poço artesiano. A divisória cedeu e um ponto de dois centímetros desencapado encostou no metal, passando corrente elétrica para toda a cerca.

Segundo o delegado que acompanhará o caso, Paulo Cesar França, os pais disseram que não tinham conhecimento da situação do fio, mas a polícia constatou que existiam remendos com fita isolante. Então, é possível que os pais sejam indiciados.

A prefeitura declarou luto de três dias na cidade e as escolas públicas suspenderam as aulas de sexta-feira. 

É uma perda muito grande e triste, não há nome para a dor de um pai que enterra seu filho. Eu me lembro de uma frase que o pai do menino Hélio, que fora arrastado pelo carro de seus pais que havia sido roubado. Ele disse que o filho quando perde um pai é chamado de órfão, mas um pai que perde seu filho não tem nome definido, por que quando a natureza inverte a ordem natural das coisas, não há como justificar. Contudo, não podemos deixar de tirar uma lição com esta tragédia: a lição de que quando temos crianças em casa, devemos anular tudo o que pode causar riscos a elas, pois elas não conseguem enxergar o perigo. Pequenos cuidados podem mudar o rumo de uma história.

A perda é irreparável e a trajetória de agora em diante com certeza será difícil, mas desejo que Deus na sua infinita bondade e misericórdia, venha confortar pais e familiares e que eles encontrem forças e esperança para continuar.