A partir de 1 de janeiro, um dos símbolos do romantismo será abolido em Paris, as lareiras das casas não poderão ser mais acendidas. A nova lei antipoluição classifica a lareira no mesmo nível de poluição dos motores a diesel, um dos maiores produtores de fuligem que poluem a Cidade das Luzes. Em 2015, os únicos fogos permitidos serão as chaminés com certificado de segurança emitido pela prefeitura parisiense.

De acordo com a Direção Regional do Ambiente e da Energia (Driee), na verdade, a fumaça de lareiras poluem tanto quanto os gases de escape dos motores diesel. "É um problema de saúde. O aquecimento da madeira contribui com até 23% das emissões totais de poluição na região de Paris.

Publicidade
Publicidade

Isto é equivalente às descargas de veículos a motor", assegurou o Driee.

Uma lareira acendida por 12 horas emite a mesma quantidade de poeira tóxica de um carro que viaja 3500 km. Os médicos afirmam que respirar a fumaça da queima da madeira não faz bem para a saúde e pode causar asma e bronquite. A proibição irá abranger cerca de 125 mil famílias que vivem em Paris e 435 cidades na região Ile de France, uma área que é chamada "sensível à qualidade do ar."

Recentemente foram divulgados os resultados alarmantes de um estudo sobre a qualidade de ar nos últimos 18 meses na capital francesa. Verificou-se que, nos dias de forte poluição, as ruas parisienses são iguais a uma sala fechada de 20 metros quadrados com oito fumantes. O estudo diz ainda que cada vez que um cidadão de Paris respira, inala cerca de 100 mil partículas finas ou ultra finas (as mais perigosas).

Publicidade

Mas nem todos concordam com a decisão da prefeitura de Paris. Para a associação de consumidores franceses, os dados divulgados não são corretos. Segundo um estudo feito pela associação a principal causa da emissão de partículas poluentes na área urbana de Paris é o tráfego com 44%, enquanto apenas 4% das emissões são do aquecimento à lenha.

Outras regiões da França poderão adotar a decisão de Paris, que por sua vez segue o exemplo de outras capitais europeias, como Londres. A lei antipoluição também prevê a criação de zonas de baixas emissões e o fim do diesel na cidade até 2020.