Faleceu nesse domingo (25) às 14:30h,, no Sarah Centro, em Brasília, o médico fundador da Rede SARAH, Aloysio Campos da Paz Júnior. O médico tinha 80 anos e foi vítima de insuficiência respiratória. A morte foi divulgada pelo próprio centro de reabilitação, que publicou em seu site que o médico "deixa um marco na história da medicina brasileira" e diz também que Aloysio "provou ser possível a assistência médica pública de qualidade no país".

Em sua conta no Twitter, a presidenta Dilma Rousseff demonstrou seu pesar pela ocorrido, ressaltando o importante trabalho realizado pelo SARAH e que a filosofia de Campos "era de que cada paciente fosse tratado com base no seu potencial e não nas suas dificuldades".

Publicidade
Publicidade

O velório será nesta segunda-feira (26) em Brasília - DF, ainda sem horário definido.

Aloysio Campos da Paz Júnior

Nascido no Rio de Janeiro, em 1934, graduou-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em 1963/64 saiu do país para fazer pós-graduação em Ortopedia e Reabilitação na Oxford University e, em 1966, fez doutorado em Ortopedia e Traumatologia na Universidade Federal de Minas Gerais. Aloysio Campos era casado com Elsita Campos, que é bibliotecária. Campos deixa três filhos e quatro netos.

Sarah Kubitschek

O Centro de Reabilitação Sarah Kubitscheck foi inaugurado em 1960. Já em 1969, houve a ampliação do centro, que já atendia, além da Brasília, as populações do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil.

Hoje, a Rede SARAH possui 09 unidades, sendo duas em Brasília e as demais em São Luís, fundada em 1993; Salvador, em 1994; Belo Horizonte, em 1997; Fortaleza, em 2001; Macapá, em 2005; Belém, em  2007 e no Rio de Janeiro, mais recentemente, em 2009.

Publicidade

A principal missão da Rede SARAH é criar uma rede de neurorreabilitação, que veja o ser humano como sujeito da ação e não como um objeto em que apenas se aplicam técnicas.

O SARAH tem uma equipe de médicos de diferentes especialidades: clínicos, neurologistas, pediatras, radiologistas, neurofisiologistas, patologistas clínicos, patologistas cirúrgicos, ortopedistas, geneticistas, cirurgiões, neurocirurgiões e urologistas, Também há um trabalho interdisciplinar com a ajuda de fisioterapeutas, psicólogos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, pedagogos, nutricionistas, farmacêuticos, biólogos, assistentes sociais, professores de educação física, dança e artes.