O clima de tensão política entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte é antigo, mas atualmente esse cenário está sendo observado com cautela e temor de uma nova guerra. De um lado está os EUA, a maior potência mundial, defendendo o sistema democrático e capitalista. Do outro lado está a Coreia do Norte, um pequeno país que possui um ditador que opta pelo regime totalitário e socialista. Com a prepotência da Coreia em não ficar quieta e querer se intrometer em tudo, demonstrando o seu pequeno arsenal bélico, os EUA estão ficando incomodados. Pois, mesmo sendo um simples país, a Coreia é o último resquício de socialismo que permanece no mundo.

Publicidade
Publicidade

Além disso, as medidas adotadas pela ditadura norte coreana agridem as ideias de direitos humanos, fato que abala toda a sociedade internacional. Logo, a ideia da desavença entre EUA e Coreia do Norte remonta aos aspectos da Guerra Fria, mas com um detalhe, armas nucleares prontas e uma possível guerra cibernética envolvendo todo o mundo. Veja a seguir como está o atual cenário desse conflito.

A Guerra Fria

O contexto de Guerra Fria remete à ideia do medo e da tensão de uma possível guerra nuclear, fato que não aconteceu. Além disso, foi nesse período que ocorreu a chamada corrida tecnológica para demonstrar qual nação, ou modelo econômico, era mais desenvolvido.

Nesse atual conflito, não há um grande receio sobre uma guerra nuclear pois existe o mínimo de bom senso dos líderes da potência americana e dos conselheiros do ditador coreano.

Publicidade

Todavia, demonstrar poder é uma questão que está ganhando força, e uma ótima maneira para alcançar esse objetivo é obtendo o controle da rede mundial de computadores e toda a tecnologia existente.

O Cinema

Foi lançado um filme chamado "A entrevista", em que o ditador da Coreia é chamado para uma entrevista e morto por ordem dos EUA. Entretanto, além de ser apenas um filme, trata-se de uma comédia. Esse filme tinha tudo para ser apenas mais um filme comum, entretanto o ditador não gostou da brincadeira, fato que tornou o filme ainda mais atrativo, ou seja, potencializou uma "ofensa".

A produtora do filme americano sofreu uma invasão cibernética, em que milhares de documentos, filmes inéditos e procedimentos internos vazaram pela internet para o conhecimento público do mundo inteiro. Os EUA acusam a Coreia, mas ela nega a autoria da ação criminosa. Não há provas contundentes, mas há algumas evidências que fazem da Coreia a principal suspeita.

A Guerra Cibernética

Existe a suspeita que a Coreia tenha um "exército de hackers" sendo preparados para um ataque cibernético em nível mundial, para afetar as grandes nações e as empresas que financiam o sistema político democrático presente no mundo inteiro.

Publicidade

Os EUA, com toda a inteligência do FBI e CIA está pronto para um contra ataque. Mas e as nações que não se preparam para esse acontecimento? E quanto ao cidadão comum que utiliza a internet tanto para o trabalho quanto para diversão? Quais serão as consequências no modelo de vida social caso ocorra uma guerra cibernética? Ainda não há respostas para essas perguntas.

Portanto, mesmo com as armas nucleares prontas para a guerra, é mínima a possibilidade de uma guerra nuclear. Entretanto, a guerra cibernética já começou a se movimentar para começar os ataques. Infelizmente, não temos o que fazer, nem sequer os hackers amadores estão protegidos. Toda a sociedade que utiliza a internet está refém do medo de uma guerra que afete o atual estilo de vida tecnológico em que vivemos.