As relações bilaterais entre os dois países já têm mais de 50 anos, o que faz dessa a mudança mais significativa dos Estados Unidos com relação à Cuba. A retomada das relações, informada por ambos no dia 17, quando as medidas foram anunciadas. O presidente americano abriu seu discurso dizendo que se pretende criar um capítulo novo nas relações entre os países e que não há mais sentido que ainda haja uma barreira ideológica e econômica. Sobre o embargo econômico, que ainda continua em vigor, o presidente Obama foi enfático ao lembrar que a suspensão depende da aprovação do Congresso norte-americano.

Ao mesmo tempo em que o presidente Barack Obama anunciava a retomada das relações, o presidente de Cuba, Raúl Castro falava ao povo cubano.

Publicidade
Publicidade

Castro declarou ter aceitado a retomada das relações diplomáticas e que propôs que as medidas adotadas fossem baseadas nas leis cubanas.

A aproximação entre os dois países teve uma forte intermediação do Papa Francisco, que ainda em março passado falou com o presidente Barack Obama sobre as relações entre EUA e Cuba serem normalizadas.

Entre as principais medidas adotadas para a reaproximação dos dois países, destacam-se:

  • Serão permitidas viagens de cidadãos americanos em alguns casos: negócios oficiais do governo dos Estados Unidos, atividades educacionais, religiosas e jornalísticas e projetos comunitários, entre outras;
  • No comércio, os EUA liberarão a exportação de equipamentos de agricultura para pequenos produtores rurais cubanos e bens para a construção civil;
  • Na economia, viajantes poderão usar cartões de crédito e débito americanos em Cuba e instituições americanas poderão abrir contas em Cuba para facilitar as transações entre os dois países, entre outras.
Foram ainda contemplados com medidas os segmentos de comunicação, fronteiras marítimas e diplomacia.

A reaproximação resultou também na libertação de presos políticos pelos dois países.

Publicidade

Presidentes dos países da América Latina manifestaram seu apreço pelo gesto do governo norte-americano, que também já começou a gerar protestos. Prevê-se que muitos protestos ainda virão, uma vez que essa aproximação pode significar o término do regime comunista da ilha.