Brasil, a democracia verde e amarela. O dia vinte e seis de outubro do ano de 2014 foi consolidado nas urnas como uma data inesquecível, o dia em que a soberania popular escreveu na história política desse país uma das páginas mais extensas. Em sua extensão, uma variedade de conteúdos plausíveis e intrigantes.

Discórdias entre candidatos e eleitores, ingredientes e intrigas como o comportamento de alguns eleitores brasileiros após a vitória da presidente Dilma, inconformados com a derrota do candidato do PSDB não pouparam críticas, algumas pessoas visivelmente munidas de ódio enraizado em seu mundo egoísta, gritavam nas janelas de suas casas e postavam na net "NORDESTINOS BURROS, POVO POBRE, SEM INFORMAÇÃO".

Publicidade
Publicidade

Estou simplificando. Os insultos ultrapassaram todos os limites entre respeitar e não respeitar e dessa forma um grande número de pessoas passaram a confundir o direito adquirido que todos nós temos, direito de se opor, de participar e compartilhar opiniões, conhecimentos e aprendizado. Quando utilizamos nossos direitos achincalhando, desqualificando nosso semelhante e os direitos que ele tem, estamos destruindo e deixando de zelar por nós e nossos direitos. Assim não só ocultando, mas excluindo de nossa sociedade o que há de mais sagrado, "a liberdade," liberdade que utilizada de forma correta, acelera a evolução dos povos e faz a sociedade se fortalecer de maneira unificada e próspera.

O Brasil é um pais lindo.  A composição étnica e racial da sociedade brasileira é sem duvida nenhuma riquíssima; uma composição étnica das mais belas entre os povos. Gostar ou não, de uma cultura a ou b, é um direito meu, seu, é um direito de todos nós, só não pode haver entre os gostos a falta de respeito com as diferenças étnicas, culturais e outros abrangentes. 
Portanto foram infelizes os pensantes egoístas, pontuaram de maneira negra a nossa adolescente democracia!
Vejam os números reais e tirem suas conclusões. Esqueçam o mapa em vermelho e azul, a ilustração da discórdia. Portanto não há razão para ódio, ódio é um malefício a sua saúde, e ainda pode adoecer e impedir a estabilidade da nossa democracia.

Intrigas e polêmicas alimentadas por opiniões fictícias transformaram os debates entre os candidatos em uma política extremamente varzeana, campanhas de mídias recheadas de sujeira, acusações, difamações e pouco conteúdo nas apresentações de seus projetos.

Publicidade

Foi uma demonstração clara que nossos políticos ainda têm muito a evoluir, uma política medíocre e abstrata. 

Em um rápido resumo dos pontos negativos, intrigantes e polêmicos digo aos cegos que o PT não dividiu o país. O PT se esqueceu de acompanhar a evolução dos brasileiros, que com melhores momentos econômicos tornaram-se rapidamente consumistas. Quando isso acontece, as pessoas ficam mais exigentes, tornam-se mais participativas e começam a delinear, compartilhar mais opiniões.

O PT não percebeu ter se distanciado dos movimentos sociais, tradicionais e sempre aliados dele e assim, de olhos vendados, tornou-se um partido de duas torcidas, uma contra e outra a favor. Brasileiros, atentos e desatentos, a Dilma não ganhou a eleição para que os nordestinos levassem a culpa, a Dilma não ganhou a eleição para um crescimento continuo de discórdias; observando o lado bom que essas #Eleições nos ensinaram, a vitória não é Dilmista, Lulista ou petista, a vitória maior é da nossa Democracia, a vitória mais importante dessas eleições foi nossa, do povo democrático brasileiro.  Tudo isso dito, excluindo as opiniões fictícias, vimos um Brasil atento, um pais com opiniões diferentes, mas bem vindas. Isso deixa claro que a sociedade brasileira está se fortalecendo.

Parabéns aos eleitores democráticos do Aécio. Parabéns aos eleitores democráticos da Dilma e viva a Democracia. AVANTE BRASIL.





#Opinião