O novo congresso nacional que passará a legislar a partir de 2015 é o mais conservador desde a abertura democrática no país. Segundo diretor do Diap - Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar - Antonio Augusto Queiroz, isso representa um retrocesso quanto às liberdades civis e a legislação trabalhista.

O novo congresso contará com uma bancada da segurança formada por mais de 30 policiais e apresentadores de programas populares voltados ao tema, com sangue nos olhos para discutir temas que afrontam os direitos sociais como a redução da maioridade penal. Esse grupo já está sendo chamado de bancada da bala porque defende a defesa individual pode estar ligado ao lobby da indústria armamentista.

Publicidade
Publicidade

Também teremos, segundo informações do Diap, 52 pastores, bispos e cantores de música gospel eleitos para câmara formando assim a bancada evangélica que por seu histórico já faz bastante barulho em questões como união entre pessoas do mesmo sexo e adoção de crianças por casais homoafetivos. No meio empresarial são 190 deputados sendo 30 novatos e 160 reeleitos. Já o meio sindical teve uma redução na sua frente que era de 80 assentos e caiu para 46. A bancada ruralista que tinha 205 assentos passou para 263. O número de deputados ligados às causas sociais ainda não foi contabilizado, mas observa-se que tenha caído.

Se houve no atual mandato dificuldades de se discutir temas como aborto, união de casais homoafetivos e descriminalização das drogas como a maconha, no próximo ainda será pior.

Publicidade

Houve diminuição de quem defenda essas pautas e aumentou o número de quem é contra. Fica aqui a pergunta: O povo brasileiro está representado no congresso nacional ou grupos e interesses econômicos é que estão tendo seus interesses representados lá?

Assuntos que realmente interessam a toda a coletividade ficam anos e anos sem sequer serem levados à discussões e outros, quando são levados, chegam ao plenário totalmente mudados em sua essência, como o caso do anteprojeto do novo código penal.

Vamos aguardar então! #Governo #Eleições