Amanhã, dia 1º de janeiro de 2015, a presidente eleita Dilma Rousseff toma posse para o seu segundo mandato. Ainda não sabemos o que esperar desse novo governo, mas sabemos que não será fácil governar para o povo descontente coma reeleição da candidata petista. E essa insatisfação, que tem permeado debates na mídia, em redes sociais e mesmo em conversas informais com amigos, pode ser demonstrada amanhã, em algum tipo de manifestação.

A Polícia Militar do Distrito Federal aumentou o número de policiais durante a posse, mas nega ser por receio de manifestações. As manifestações têm sido anunciadas pelos movimentos sociais e nas redes sociais têm sido marcados atos contra a presidente Dilma, tudo para amanhã, no momento da posse.

Publicidade
Publicidade

O #PT - Partido dos Trabalhadores estima que no mínimo 30 mil pessoas participem da festa da posse e repassa a orientação aos militantes e simpatizantes que não se deixem levar por provocações - pois há quem irá para comemorar e há quem irá para protestar, pois certamente não hesitarão em usar um momento como a posse da presidente para um ato contra o futuro governo.

Muitos chefes de estado e autoridades internacionais virão para a posse - presidentes, vice-presidentes e outros representantes já haviam confirmado presença. A presidente da Argentina, Cristina Kirchner não virá, pois teve uma fratura no tornozelo, ainda não se sabe quem virá representando-na.

Esse é um momento importante na história de um país, pois marca o início de um novo ciclo, um novo governo. Resta esperarmos para ver o que vem pela frente - a primeira notícia é a do aumento do salário mínimo, que vai aumentar para R$ 788,00 a partir do primeiro dia de janeiro.

Publicidade

O novo governo chega com muitas decepções com relação à escolha dos nomes para os ministérios, mas a opinião de muitos é de que e presidente procurou cercar-se de pessoas que possam ajudar a conter a insatisfação de uma parte dos petistas, principalmente se for necessário defender a possível redução de vantagens trabalhistas - o que nós, trabalhadores, não queremos que aconteça e a presidente já afirmou que não acontecerá.

Como já disse, nos resta esperar e ver o que acontece. E torcer para que a posse amanhã ocorra em um clima de paz, sem encrencas nem violência.