Aprovada nessa semana medidas para aumentar o caixa do #Governo. O Estado do Paraná reajusta impostos e aprova taxação nas aposentadorias.

Com a decisão pela ALEP (Assembleia Legislativa do Estado do Paraná), houve aumento da alíquota do ICMS de quase 100 mil produtos dentre os quais: alimentos, medicamentos, produtos de higiene e limpeza, eletrônicos, vestuário, material escolar, gasolina, dentre outros.

Outra medida aprovada foi o aumento do imposto sobre a propriedade de veículos automotores (IPVA), que passa a ser de 40% sobre a tabela FIPE. No mesmo período no ano passado, o governo havia mantido a alíquota do imposto em 2,5% para automóveis e motos e 1% para caminhões de carga.

Publicidade
Publicidade

O ICMS, que até então era de até 18% no estado do Paraná, passa a ser de até 25%. O aumento terá um impacto de aproximadamente R$400 mensais a mais no orçamento das famílias paranaenses, considerando os demais impostos que também tiveram aumento.

Outro ponto aprovado que tem causado polêmica diz respeito à taxação em 11% para os aposentados que recebem acima do teto do INSS, ou seja, para os que recebem mais do que R$4.390,24. Para esses serão descontados aproximadamente R$482,93 ou mais, a depender do total recebido.

Ficou autorizado ainda um novo empréstimo do Governo do Paraná no valor de US$300 milhões, cerca de R$770 milhões, junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento. Extinguiu-se ainda a Secretaria da Indústria e Comércio e a Secretaria do Trabalho.

As medidas e projetos aprovados na Assembleia Legislativa do Paraná causaram tumulto no dia da votação, pelo que a sessão foi paralisada 3 vezes até que os manifestantes estivessem mais 'tranquilos'.

Publicidade

Embora a manifestação tenha conturbado a votação da sessão na ALEP (Assembleia legislativa do Paraná), os projetos foram votados e as taxas e impostos foram aprovados pelos políticos.

As medidas de cortar despesas e aumentar o fluxo de caixa do governo se fundam no fato de que não há dinheiro para saldar todas as dívidas do exercício de 2014, tanto que servidores públicos estaduais já foram informados de que não haverá pagamento das férias e 13º salário nesse ano, bem como não há previsão para pagamento das verbas salariais.