Quem habitualmente circula pela Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, conhecida pelos mais antigos como a Velha Estrada de Campinas, já deve ter reparado como o trânsito nessa importante via de São Paulo, na zona oeste e que corta a Lapa até Jundiaí, piorou consideravelmente com o passar dos anos. Essa situação, no entanto, se agravou ainda mais desde que foi inaugurado, no final do ano passado, o Tietê Plaza Shopping, no cruzamento da Avenida com a Marginal Tietê. Como mencionamos no início, a Avenida Raimundo Pereira de Magalhães se inicia em um lado da Marginal, na Lapa e continua no outro. Pois é, durante décadas, até o ano de 1969, era possível andar a avenida de uma ponta a outra, pois havia uma ponte de madeira que unia os seus dois extremos.

Publicidade
Publicidade

Sem uma razão aparente, essa ponte foi eliminada pelos "gênios" que administram essa cidade, que novamente revelaram uma falta de visão futura do crescimento de São Paulo. Como naquele período, portanto, há mais de 40 anos, a quantidade de carros que circulava pela cidade era ínfimo, acreditava-se que a construção da Ponte do Piqueri, um pouco mais adiante dali, seria suficiente para desafogar o trânsito. O fato é que, passados mais de quatro décadas, aquele trecho da cidade e seus moradores sofrem os reflexos em seu dia a dia dessa decisão impensada, ficando horas e horas presos no trânsito que se avoluma na ponte do Piqueri. Esse estresse todo, que já vinha acontecendo nos últimos anos, se agravou com a inauguração do Shopping na região.

Para tentar reverter esse quadro, foi aprovado na chamada Operação Urbana Água Branca, a reconstrução da Ponte Pirituba.

Publicidade

As discussões começaram em 2012, quando o Shopping ainda estava em construção, na Faculdade Anhanguera, em Pirituba, e desde então diversas reuniões que envolvem vereadores da região, comerciantes e moradores vem ocorrendo e têm gerado muitas polêmicas: Se, por um lado, os moradores e comerciantes da região acham que seja essencial a reconstrução da ponte, por outro, os moradores e comerciantes da Lapa temem que, pelo fato de Pirituba ter crescido muito, aumente em demasia o trânsito na região da Lapa e assim, o impasse permaneça..

Em 2012, Antonia Ribeiro Guglielmi, engenheira e superintendente de projetos viários da Siurb alertava que o projeto, apesar de necessário, não é tão simples assim, pois seria essencial que também se fizesse um estudo abrangente da área para que haja melhorias em toda a região. Feito isso, daí se encaminharia o projeto para a Câmara Municipal. Dois anos depois de muita discussão, na última reunião, realizada em dezembro desse ano, verificou-se que o projeto finalmente ganhou corpo, sendo apresentado pelo diretor de desenvolvimento de projetos da SP Obras, Ricardo Pereira Silva, que adiantou que a ligação está em processo de licitação e que deve começar a ser construída no segundo semestre de 2015.

Publicidade

A obra terá 3200 metros de extensão a partir da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães até a região central da Lapa, contemplando três faixas de tráfego para os dois sentidos. Como para que a obra ocorra será necessário que sejam feitas algumas desapropriações, principalmente na Lapa, há muita insatisfação, principalmente dos moradores desse bairro. De qualquer maneira, a obra ganha contornos mais nítidos e tem tudo para ser resgatada.