Nos últimos dias, o deputado Federal Jair Messias Bolsonaro (PP-RJ), se envolveu em mais uma polêmica, ao dizer à parlamentar Maria do Rosário (PT-RS), que não a estupraria. Esta reincidente declaração lhe rendeu grande repercussão nas mídias sociais e opiniões divergentes entre dois conceituados jornalistas da Jovem Pan; Reinaldo Azevedo e Rachel Sheherazade.

A primeira a se pronunciar foi Sheherazade. Em sua fala, ela defendeu Bolsonaro e disse que toda a discussão deve ser analisada dentro de um contexto. "Bolsonaro pode ser muita coisa, mas definitivamente, não é um estuprador... Aliás, é um ferrenho defensor da punição a estupradores menores de idade, inimputáveis graças à manutenção da menoridade penal, esta sim, defendida por Maria do Rosário e sua trupe.

Publicidade
Publicidade

Para quem não sabe, é do deputado Jair Bolsonaro o projeto de lei que propõe a castração química de estupradores", disse Sheherazade. 

Já Reinaldo Azevedo, mostrou-se super indignado com as declarações do ex-militar. Para o jornalista, só há duas alternativas a serem tomadas: "Ou Jair Bolsonaro se desculpa com todas as mulheres - começando com Maria do Rosário - ou merece ser cassado."

Para Reinaldo Azevedo, a fala do Deputado é maliciosa e deixa subtendido que existem mulheres que merecem ser estupradas.

Na última quarta-feira (17), em meio a toda essa turbulência, o Bolso-mito - como é intitulado nas redes sociais - se mostrou tranquilo, ao publicar em sua página no Facebook, uma nota intitulada 'Jamais pedirei desculpas à deputada Maria do Rosário'.

Em nota, o deputado esclarece que "nenhuma mulher merece ser estuprada" e que a sua fala à deputada Maria do Rosário, nada mais foi do que uma reação à ofensa dirigida à sua pessoa.

Publicidade

"Com todo o respeito que as mulheres e os 'movimentos' que as defendem possam merecer, peço que usem outro mastro, não a mim, para que possam hastear suas bandeiras, pois já estou ocupado defendendo a bandeira do Brasil", finaliza dizendo.

É bom lembrar que por conta das declarações de Bolsonaro, o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, instaurou um processo somente contra ele por quebra de decoro parlamentar e a Procuradoria-Geral da República (PGR) o denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF), por incitação ao crime de estupro. #Opinião