Por meio de uma falsa notícia que teria sido vinculada nas redes sociais no ano de 2012, sendo originária do estado de Alagoas, em sua capital Maceió, a Câmara Municipal de Aracaju (CMA) acabou se tornando palco de escândalos, polêmicas e atos que envergonham e revoltam a toda população aracajuana. E porque não dizer, toda população brasileira!

A polêmica que já vem se tornando novela, onde a cada dia se escreve um novo capítulo, iniciou ainda no mês de novembro, quando o vereador Agamenon Sobral (PP) utilizou a tribuna para a notícia falsa, por meio de um jornal que teria sido distribuído na câmara e onde trazia a nota de que um Padre havia se recusado a casar uma noiva pois esta não utilizava a calcinha.

Publicidade
Publicidade

O vereador em seu discurso afirmou que concorda com o Padre, xingando a mulher de vagabunda e dizendo esta merecer uma surra. Na semana seguinte, a novela começou a ganhar audiência, pois a vereadora Lucimara Passos do PC do B, que além de ser do partido de oposição do vereador, já vinham trocando farpas há um certo tempo, aproveitou para protestar contra as palavras do vereador em seu discurso na semana anterior, onde puxou uma calcinha do bolso mostrando em plena seção, desafiando se o vereador seria capaz de xingá-la de vagabunda e dar-lhe uma surra.

Com estas atitudes, a imprensa, todos os meios de comunicação local e também o povo começaram a questionar as atitudes proferidas pelos parlamentares. As seções passaram então a serem assistidas pela comissão de verdade, a qual também é responsável por julgar os casos.

Publicidade

Os demais parlamentares expressaram diferentes atitudes, uns chateados, outros revoltados, outros então neutros. Mesmo assim as polêmicas continuaram em seu novo discurso. Agamenon exprime um bom ar, como uma forma de desinfetar o local, provocado pela vereadora.

As cenas ganham cada vez mais audiência, manifestantes já ocuparam a câmara pedindo a cassação de Agamenon, mulheres registram B.O contra vereador, Lucimara e Agamenon são punidos, vereador ainda questiona com Presidente da Câmara que fala para ele entrar com recurso. A população espera saber até onde isso vai parar. Enquanto isso, propostas não são apresentadas se é que tem alguma. Projetos que realmente interessam a população acabam nem entrando em discussão para serem votados.