Aécio Neves, presidente nacional do #PSDB e último candidato do partido a concorrer à presidência da República, afirmou ontem (13) que a tentativa de envolver o senador de seu partido Antônio Anastasia na Operação #Lava Jato foi "manobra" para deixar as investigações mais fracas.

Anastasia passou a ser suspeito após o policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho citar o seu nome em depoimento feito em novembro de 2014 à Polícia Federal. Em seu depoimento, ele afirmou que Anastasia recebeu 1 milhão de reais quando tentava se reeleger como governador de Minas Gerais. O policial também informou que só soube que se tratava de Anastasia após o período eleitoral ser finalizado.

O senador tucano negou qualquer envolvimento com o caso e se mostrou disposto a contribuir com a polícia para solucionar o possível mal entendido. Ao mesmo tempo, o doleiro Alberto Youssef, já preso pela Operação, informou por meio de seus advogados que nunca teve qualquer relação com o senador Anastasia. Youssef apontou como "notícia inverídica" a informação passada pelo policial Jayme de que ele teria solicitado que entregasse a quantia ao tucano.

De acordo com os seus advogados, esses relatos falsos tinham a intenção de prejudicar Youssef e criar fatos mentirosos para anular todas as colaborações de até então, beneficiando terceiros interessados e envolvidos no caso.