O atual senador e ex-presidente da República Fernando Collor de Mello, do PTB de Alagoas, deve ser denunciado no início de fevereiro desse ano pela Procuradoria Geral da República. A denúncia deve ser feita após as solicitações de investigação de políticos envolvidos na Operação #Lava Jato serem enviadas ao Supremo Tribunal Federal.

As autoridades acreditam que já há provas suficientes para que o senador seja denunciado, sem que seja necessário nenhuma nova prova. Os responsáveis pelo caso afirmaram se tratar de uma "denúncia direta".

A Polícia Federal encontrou ano passado comprovantes de depósitos feitos por Youssef para Collor. Ao todo, os comprovantes somavam uma quantia de 50 mil reais e foram feitos em espécie. Ontem (13), Collor foi procurado para comentar o assunto, mas seu gabinete informou que ele não se encontrada em Brasília, por isso não devia fazer nenhum comunicado.

As primeiras acusações contra Collor surgiram em maio do ano passado. Vale lembrar que o senador deixou de ser presidente da República após sofrer impeachment em 1992 por acusações de corrupção. Após as acusações do ano passado, Collor se defendeu no Senado, se disse vítima de campanha difamatória, mas não explicou a origem do dinheiro depositado em sua conta.