Finalmente foram divulgadas novas informações sobre o acidente que matou o candidato a presidência da República, Eduardo Campos. De acordo com os oficiais do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, os pilotos fizeram um trajeto um pouco diferente do que estava oficialmente previsto, mas ainda não se pode dizer que o acidente foi causado por falha humana.

 A investigação constatou que tanto na descida inicial quanto na arremetida, o percurso captado pelos radares foi diferente do que estava sendo recomendado no mapa. Nesse trajeto, a tripulação do avião também não informou a localização nos momentos em que essa informação foi exigida.

Publicidade
Publicidade

 Para Raul de Souza, tenente-coronel, não se pode concluir que o piloto pegou um atalho, mas que ele fez um procedimento que não estava previsto inicialmente. Para saber se a queda do avião aconteceu por falha humana, os técnicos da Cenipa devem continuar as investigações.

 Além da mudança de trajeto, a documentação mostrou que os pilotos estavam habilitados para voar com modelos mais antigos que do avião de Eduardo Campos. Seria necessário que fizessem um treinamento que é recomendado pela Anac, Agncia Nacional de Aviação Civil, para que pudesse operar com equipamentos modernos.

 Outro dado obtido na investigação é da inclinação do avião: o recomendado seria de 3 graus negativos para a realização do pouso, mas o avião estava a 38 graus. Nas investigações também foi descartada a possibilidade de incêndio na aeronave antes do acidente, o avião só pegou fogo depois de colidir.

Publicidade

 Segundo Raul Souza, não houve colisão com pássaros ou veículos aéreos não tripulados e os motores estavam funcionando perfeitamente quando aconteceu o impacto do acidente. Até então, não foi identificada nenhuma falha técnica no avião de Eduardo.

 Em nota, a família de Eduardo Campos declarou que só vai se pronunciar sobre os resultados das investigações após exposição oficial dos fatos, com conclusões dos inquéritos criminal e civil. O partido de Eduardo também preferiu não se pronunciar sobre o assunto.