A Polícia Federal divulgou que abriu mais 10 novos inquéritos para investigar as fraudes nos contratos da estatal #Petrobras. O esquema comandado por Alberto Youssef deve ser investigado a fundo. Os documentos foram assinados no dia 23, mas só no dia 27 é que entraram no sistema da Justiça Federal. O doleiro fez um acordo de delação premiada e declarou que as empresas pagavam propinas para fechar contrato de obras e vários funcionários da estatal.

Os inquéritos foram abertos para investigar as seguintes empresas: Setal Engenharia Construções e Perfurações, Carioca Christiani Nielsen Engenharia, Schain Engenharia, GDK, Skanska Brasil, Construtora Andrade Gutierrez, Techint Engenharia e Construção, Promon Engenharia, Alusa Engenharia e MPE Montagens e Projetos Especiais.

Publicidade
Publicidade

Para abrir os novos inquéritos, o delegado responsável pela investigação usou como base os depoimentos de Youssef. Fora isso, também foram analisados comprovantes de depósitos, recibos e diversos documentos que comprovariam a relação entre as pessoas investigadas na #Lava Jato e essas empresas.

A investigação caminha desde março do ano passado e revelou um esquema que movimentou ilegalmente mais de 10 bilhões de reais. Por enquanto, 20 pessoas foram presas e alguns dos envolvidos são réus em processos.

O lado das empresas

A GDK já foi citada anteriormente na Lava Jato e ninguém da assessoria quis comentar a abertura de novo inquérito.

A Toyo Setal, antiga Setal Engenharia, é parte crucial da investigação que desencadeou a  sétima fase da Operação Lava Jato, que prendeu vários executivos de empreiteiras.

Publicidade

O diretor da empresa, Júlio Camargo, denunciou o esquema de cartel entre as empresas quando fez acordo de delação premiada com a Justiça Federal. Segundo ele, as empreiteiras combinavam valores para participar das licitações da estatal.

A empresa Andrade Gutierrez também é peça importante e foi citada tanto por Paulo Roberto Costa quanto por Alberto Youssef. Ambos afirmam que a empresa pagou propinas para alguns funcionários da Petrobras. Ninguém da Andrade Gutierrez se pronunciou.