Mais de R$15 milhões. Essa é a quantia que foi desviada do seguro-desemprego, segundo a Polícia Federal, que prendeu na última quinta-feira (15) pelo menos 5 em Brasília. Por enquanto são detenções temporárias, consequência de uma operação, a MAC 70, realizada na capital federal desarticulando uma organização suspeita de desviar essa valiosa quantia.

O esquema funcionava com a ajuda de funcionários do Sistema Nacional de Emprego (Sene) dando cobertura para que o bando inserisse dados falsos no sistema do seguro-desemprego, segundo a polícia federal(PF). As investigações, que começaram em outubro de 2014, foram intensificadas por policiais.

Publicidade
Publicidade

As pessoas cujos dados pessoais são reais se encontram em mais de dez unidades da federação. A polícia federal ainda apura o grau de envolvimento dessas pessoas, se elas estão cientes da utilização dos seus dados pessoais, se os mesmos estavam sendo utilizados indevidamente ou se, de alguma forma, se beneficiavam desse esquema.

Com base no que já foi colhido pela polícia federal (PF), a justiça expediu quinze mandados de busca e apreensão, 11 para que o investigado seja conduzido para prestar depoimento e em seguida liberado (condução coercitiva) e quatro de prisões temporárias. Foi encontrada uma arma na residência do pai de um dos investigados, após ser alvo de mandado de busca e apreensão.

Todos os investigados serão responsabilizados e responderão por praticarem por crimes de anexação de dados falsos em sistemas de informação e associação ao crime.

Publicidade

Além disso, as investigações procuram formas de garantir que a União tenha seu prejuízo ressarcido.

Enquanto muitos penam para conseguir o seguro-desemprego, os próprios funcionários se beneficiam, indevidamente do que seria uma ajuda para quem está desempregado temporariamente. Não há como negar que tal fato revolta qualquer contribuinte. Porém, graças ao bom trabalho da polícia federal, alguns estão sendo presos. Acredita-se que a operação desvende muito mais detalhes e, infelizmente, benefícios ilícitos. #Governo