Em meio ao aumento da inflação, produtos mais caros, aumento de impostos e alta da gasolina, os deputados aprovaram aumento de benefícios parlamentares e regalias. Os deputados que ganham R$33.763,00 mensais de salário contam com muitos outros benefícios como auxílio moradia, auxilio saúde, cota parlamentar e verba para passagens aéreas.

O reajuste começará a valer a partir de primeiro de abril representando somente neste ano um gasto de R$112 milhões. Em 2016 as despesas aumentarão para mais de R$150 milhões. Segundo o presidente da câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não houve aumento e sim um reajuste de acordo com a inflação, além de cortes que serão feitos em contratos de informática e compra de equipamentos, o que não trará ônus para a casa.

A nota publicada informa que serão cortados despesas de consumo diário, sendo R$16 milhões em serviços e gastos de manutenção, além de um corte de R$50 milhões em despesas de pessoal, como horas extras e sessões noturnas.

A verba de gabinete subiu de 78 mil para 92 mil, um reajuste de mais de 18%. Cada parlamentar pode contratar até 25 pessoas. Já a cota parlamentar destinada a gastos como compra de passagens aéreas foi reajustada em 8%, o gasto que varia de acordo com a região de origem do deputado é no mínimo de 27 mil para deputados do Distrito Federal e até 41 mil por mês, pagos aos deputados de Roraima.

Depois de mais de seis anos de proibição foi aprovado a verba para compra de passagens de cônjuges, desde que o destino seja de Brasília para o estado de origem dos deputados. A proibição surgiu em 2009 depois de irregularidades na compra de passagens, havia deputados pagando passagens para amigos e parentes incluindo passagens para viagens a lazer. A medida foi tomada a pedido das mulheres dos parlamentares.

O presidente da casa disse que o reajuste foi feito de acordo com o IPCA acumulado de julho de 2012. Outro aumento foi o do auxílio moradia que passou de R$3.800 para R$4.243 para os deputados que não utilizam o apartamento funcional. Os deputados possuem também cota para gastos em saúde, para despesas que sejam feitas fora do departamento médico e fora da casa que presta serviço vitalício aos representantes da população.

Além destes benefícios, os deputados possuem cota parlamentar que varia de R$27 a R$41 mil e serve para serviços de consultoria, segurança, aluguel de aeronave, combustível, serviços postais e alimentação. O reajuste vem justamente em um período de ajuste fiscal dado pelo #Governo federal e diminuição de verbas para educação.