As autoridades do governo da Indonésia solicitaram que o embaixador do país no Brasil, Toto Riyanto, volte imediatamente para a Indonésia. Esta medida demonstra a total reprovação em relação a atitude de Dilma Rousseff ao negar receber as credencias do embaixador da Indonésia no Palácio do Planalto.

Com mais esse episódio de constrangimento diplomático, a relação ente Brasil e Indonésia está abalada. Vale lembrar que tudo começou com a negação dos pedidos de clemência para os 2 brasileiros presos por tráfico de drogas, sendo condenados à morte.

Para explicar o motivo que a levou a negar as credenciais do embaixador da Indonésia, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff disse que para aceitar as credenciais de um representante da Indonésia, é necessário saber qual é a real situação entre os países e que haja um entendimento.

Publicidade
Publicidade

Todavia, com a arrogância demonstrada em todas as outras tentativas diplomáticas, a Indonésia, não buscou uma solução pacífica, ela preferiu convocar Paulo Soares, o embaixador do Brasil em Jacarta (capital do país) para uma reunião neste sábado, dia 21 de fevereiro 2015.

Em nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores da Indonésia caracterizou como ação inaceitável a atitude de Dilma Rousseff. Dessa forma, o embaixo da Indonésia, Toto Riyanto, recebeu ordens do governo para permanecer em Jacarta até que o Brasil remarque uma nova data para que o embaixador apresente suas credenciais. Nas considerações finais, o governo da Indonésia disse que nenhum país pode interferir em sua soberania.

Com relação a essa nota oficial e, principalmente, à ação da Indonésia, existem apenas 2 considerações necessárias: primeiramente, o Brasil nunca desejou ferir a soberania do país, pelo contrário, o Brasil respeita a soberania e acata a decisão de pena de morte dos brasileiros por terem cometido tráfico de drogas em território da Indonésia.

Publicidade

Todavia, parece que as autoridades não conhecem a própria lei nacional, pois de acordo com ela, as pessoas condenadas à morte devem estar conscientes do crime que cometeu e da punição que irá sofrer por isso. Caso o contrário, a pessoa não poderá ser executada. Dessa forma, o brasileiro Rodrigo Gularte não pode ser fuzilado pois ele sofre de esquizofrenia.

Além disso, é necessário respeito mútuo em relação à soberania dos dois países, pois, assim como a Indonésia tem o direito de matar brasileiros, o Brasil tem o direito e o dever de repudiar tal ação utilizando as vias legais através de métodos de relação diplomática.

Dilma fez certo ao tomar uma atitude. Agora, com a resposta da Indonésia, é necessário que a presidente permaneça firme com suas convicções, pois apesar de existir a soberania, o Brasil tem que se impor perante a Indonésia, ou irá perder todo o respeito e credibilidade internacional.

Para entender mais sobre o assunto, leia o artigo: Dilma recusa credencial de embaixador da Indonésia para atuar no país. #Opinião