O PSDB irá solicitar informações ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio a respeito de obras financiadas pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), na Guiné Equatorial. Conforme o líder do partido tucano no Senado, Cássio Cunha Lima, há suspeitas de que recursos do BNDES poderiam ter sido utilizados por empreiteiras brasileiras para financiar o enredo da Beija Flor, escola de samba que foi a campeã do #Carnaval do Rio neste ano.


Cunha Lima questiona o montante de recursos do banco destinado ao financiamento público de obras das empreiteiras na Guiné Equatorial, solicitando que o BNDES relacione as empresas que teriam recebido esse benefício.


Conforme o senador, 'se houver financiamento do BNDES a essas empresas, fica clara a triangulação de um banco público para uma escola de samba, o que não é justo. Você teria que ter um tratamento igual para todas as outras escolas', argumenta.


O PSDB pretende, ainda, abrir uma CPI mista no Congresso (composta por deputados e por senadores) com o objetivo de investigar o BNDES. 'Vamos fazer um pente fino nos financiamentos e patrocínios do banco. Apenas queremos dar transparência a tudo o que é feito pelo banco', finalizou Cunha Lima, destacando que na próxima semana a oposição deve buscar as assinaturas necessárias para a instalação da CPI.


Segundo Fran-Sérgio, carnavalesco da Beija-Flor, o desfile da escola teria sido realmente financiado por empresas brasileiras do ramo da construção civil que atuam no país africano, que foi homenageado no enredo. O presidente da escola, Farid Abraão David, confirmou que a escola recebeu ajuda financeira de empresas brasileiras, sem detalhar quais foram as empresas e os valores envolvidos.


O jornal “O Globo” afirma que o patrocínio teria sido de 10 milhões de reais. Até o momento, a escola não confirmou nem negou esse valor. O governo da Guiné Equatorial divulgou nota negando qualquer contribuição monetária para o desfile da Beija-Flor. Embora o governo da Guiné Equatorial negue, há relatos de que o ditador Teodoro Obiang, esteve pessoalmente na Sapucaí para acompanhar o desfile. Obiang tem, segundo a revista “Forbes”, uma fortuna estimada em 600 milhões de dólares.


A Beija-Flor venceu o Carnaval do Rio neste ano com enredo polêmico, homenageando o país africano que é governado, há mais de 35 anos, por uma ditadura. A escola venceu por uma diferença de quatro décimos a Salgueiro, vice-campeã dessa edição.