O Senador Ronaldo Caiado do DEM de Goiás apresentou ao Ministério Público Federal na última semana uma representação requerendo a investigação de irregularidades no Programa Mais Médicos. Segundo o Senador integrantes do #Governo e da Organização Pan-Americana de Saúde orquestraram um grande desvio de verbas, com o propósito de financiar a ditadura cubana. A grande novidade nas acusações do Senador foi a argumentação de que o governo cubano tenha repassado dinheiro ao Brasil com o propósito de fazer caixa 2 para campanha eleitoral.

O principal foco das acusações do Senador Ronaldo Caiado é o ex-ministro Alexandre Padilha que deu início ao programa enquanto ainda estava no Governo.

Publicidade
Publicidade

A coordenadora do Mais Médicos na Organização Pan-Americana, Maria Alice Fortunato, o atual ministro Arthur Chioro e o assessor internacional da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, entre outros membros do Governo também, estão citados na representação e deverão ser alvo de investigações do Ministério Público.

O sucesso do Programa Mais Médicos foi uma das bandeiras erguidas pela presidente Dilma Rousseff durante a sua campanha para reeleição em 2014. Desde o seu lançamento em julho de 2013 o programa tem sido alvo de muitos questionamentos, especialmente a respeito da parceria entre os Governos de Brasil e Cuba. Sob diversas justificativas médicos de todo o Brasil se manifestaram contra o programa desde o início.

O Senador Ronaldo Caiado que é médico formado pela Escola de #Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, faz parte da bancada opositora ao Governo e tem se oposto ao programa Mais Médicos desde o princípio em 2013 e nunca escondeu seu desejo de ver o programa encerrado.

Publicidade

A partir de agora caberá ao Ministério Público avaliar a representação feita pelo Senador e constatar a veracidade dos fatos a partir do processo de investigação.

O Ministério Público não se pronunciou a respeito até o momento, entretanto se constatadas as irregularidades, acredita-se que a continuidade do Programa Mais Médicos poderá ser ameaçada.