O "Clube de empreiteiras" como vem sendo chamado o cartel que superfaturava obras da #Petrobras, repassou, em 2014, aproximadamente R$ 14 milhões a candidatos a governador, senador e deputado federal. Há pelo menos 20 políticos envolvidos na Operação Lava Jato envolvidos com o recebimento dessas doações, registradas pelas empreiteiras (pelo menos 7 das 16 investigadas pela Polícia Federal) em épocas de eleições - esses envolvidos são alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal.

O levantamento só diz respeito ao ano de 2014 porque em eleições anteriores, as doações era ocultas, dessa forma não há forma de rastrear as ligações entre financiadores e financiados.

Publicidade
Publicidade

Estima-se que essa lista de 'beneficiados' possa aumentar, já que também terão pedidos de abertura de inquéritos os governadores eleitos. 

Há três candidatos a governador que estão no topo do ranking das doações no ano de 2014,  isso porque são os que têm as campanhas mais caras e porque o interesse das empreiteiras é apostar em quem tem grandes chances de ser eleito, pois eles têm o poder de decidir sobre a alocação dos recursos para obras - que é quando as empreiteiras recuperam o que foi 'investido'. Só que, nem sempre isso dá certo, como no caso desses três candidatos, que não foram eleitos e voltaram aos seus mandatos no Senado Federal: Gleisi Hoffmann, candidata do PR pelo PT, Benedito de Lira, candidato do estado de Alagoas pelo PP e Lindbergh Farias, candidato do RJ pelo PT.

Os outros 17 políticos que receberam doações das empreiteiras e que estão sob investigação são deputados e senadores.

Publicidade

O destaque fica para o PP, que tem 12 dos políticos da lista, o restante divide-se entre as seguintes siglas: PT, com 3, SD e PSDB com 1.

Um dos pontos que chama a atenção, bem mais que o quantia das contribuições, é o número de empreitadoras financiadoras, por exemplo, o senador Antonio Anastasia, recebeu doações de 5 das 16 empreiteiras da lista de acusadas de formar cartel. Três dessas empreiteiras destacam-se como responsáveis por dois terços de todas as doações aos políticos que estão sendo investigados: UTC Engenharia, Construtora Queiroz Galvão e Galvão Engenharia.  #Corrupção