O ex-ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, deveria depor na manhã dessa quinta-feira, 5, sobre o caso da Operação Lava Jato. Porém, os oficiais da Justiça Federal do Paraná não conseguiram encontrar o político. Bernardo deveria ser testemunha de defesa do presidente da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, que está preso na cidade de Curitiba.

A justiça começou a tentar localizar o ex-ministro na semana passada, quando um oficial tentou intimar o político em um prédio residencial, em Curitiba. No entanto, o oficial foi avisado de que Bernardo não morava mais no local. Assim, a defesa de Ricardo Pessoa informou que iria entrar em contato com a direção do PT em São Paulo.

A defesa do presidente da UTC logo noticiou também que informações das redes sociais indicam que o ex-ministro se mudou para o interior do estado de São Paulo. Mas, a justiça não conseguiu localizar Bernardo.

Lista dos 54

Segundo o Jornal Folha de São Paulo, existe uma lista com 54 nomes que vão ser investigados pela Operação Lava Jato. Os inquéritos vão ser abertos pela Procuradoria-Geral da República, resultantes do depoimento do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Dentre todos os nomes, 45 são políticos.

Ainda de acordo com as informações, os suspeitos cometeram crimes como #Corrupção e lavagem de dinheiro. Entre os nomes estão o presidente do Senado, Renan Calheiros e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ambos do PMDB.

A identificação de todos os suspeitos foram entregues na última terça-feira, 3, para o ministro Teori Zavascki. A previsão é de que análise dos documentos para investigação sejam feitas até amanhã, quando todos suspeitos vão ser conhecidos oficialmente.

O Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, explicou que os suspeitos passaram a ser investigados após citações nos depoimentos do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, e do doleiro Alberto Youssef. Ainda segundo as informações, mais nomes de políticos devem ser descobertos após as investigações.