Na última terça-feira, 10, o Deputado Federal Cabo Daciolo (PSOL-RJ) causou estranheza a seus pares e virou um dos assuntos mais comentados nas redes sociais ao sugerir uma mudança na Constituição Brasileira. Daciolo apresentou projeto que visa substituir trecho do primeiro artigo, que declara que "todo poder emana do povo". A partir de seu projeto, o novo texto reconheceria que "todo poder emana de Deus".

Amplamente criticado, inclusive, por seus correligionários de partido, o projeto é apontado como grave atentado à noção de estado laico. A ideia de laicidade do estado é uma construção histórica que visa diminuir a interferência religiosa nos assuntos públicos, dado o fato de cada cidadão ter direito a professar sua fé, sem qualquer tipo de perseguição ou exclusão das estruturas públicas.

Publicidade
Publicidade

As principais figuras do partido deram declarações públicas de repúdio

O Deputado Federal Jean Wyllys declarou que "a posição do deputado Daciolo - posição individual e que não corresponde, nem ao programa do partido, nem ao pensamento do restante da bancada - constrangeu-me em particular porque não poderia ser mais diametralmente oposta ao que defendo, que é a laicidade do estado, as liberdades civis e a proteção dos direitos das minorias contra a tirania das maiorias", afirmou Wyllys.

Marcelo Freixo sentenciou "Ou ele entende o significado do que é o PSOL ou deve procurar um partido onde seja mais feliz". Já o vereador eleito na capital do Rio de Janeiro, Renato Cinco, foi além: "Daciolo, pegue seu mandato e saia do PSOL".

No início do mandato, o mesmo Daciolo já havia se envolvido em polêmica ao exibir foto com o também deputado Jair Bolsonaro, representante declarado do conservadorismo na política.

Publicidade

O partido, fundado por Heloísa Helena e Luciana Genro (ambas dissidentes do PT), tem tentado sempre se destacar como uma voz a favor da coerência e da ética na política.

Nesse caso, Daciolo deixa o PSOL em uma posição totalmente sensível. O mais natural seria algum processo de expulsão, mas considerando que sua bancada na Câmara possui apenas 5 deputados (entre eles o Cabo), o pragmatismo deve sobressair.

O tom da nota divulgada pela Executiva Estadual do PSOL do Rio de Janeiro caminha nessa direção, ao reconhecer "a legitimidade do mandato do deputado Daciolo, conquistado pelo voto popular". Em seguida aponta equívocos em sua postura, e termina com a condicionante "Se ele não se sentir a vontade para defender o programa do PSOL, a busca de outro partido, nos parece, deve ser seu caminho natural". 

Apesar da aparente repercussão negativa, o Cabo parece não se importar e afirmou em rede social: "Sou a favor do estado laico, porém, tenho o entendimento que todo o poder emana de DEUS". #Opinião