O petista Edinho Silva, ex-deputado estadual por São Paulo, será o novo ministro chefe da Secretaria de Comunicação do #Governo. Edinho foi tesoureiro da campanha de reeleição de Dilma Roussef ano passado. O anúncio foi feito, nesta sexta-feira (27), pela assessoria do Planalto após o pedido de demissão do ex-ministro Thomas Traumann no início da semana.

O convite partiu diretamente da presidente Dilma, em uma reunião com seu novo ministro no início do dia. O ex-tesoureiro atendeu prontamente o pedido e teve a nomeação anunciada pela assessoria do Palácio do Planalto logo na sequência. A posse está marcada para o próximo dia 31.

Publicidade
Publicidade

Em sua carreira política, o agora ministro da Secretaria de Comunicação já foi por duas vezes prefeito de Araraquara (SP) e uma vez deputado estadual por São Paulo. Edinho também foi presidente do #PT no Estado de São Paulo. Nas eleições de 2014, o ministro desistiu de lançar sua candidatura para deputado por um convite de Dilma para que ele fosse o responsável financeiro de sua campanha. O ministro-chefe é formado em sociologia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Com o pedido de demissão de Traumann, após o vazamento de textos criticando o Governo, o nome de Edinho começou a borbulhar nos bastidores do Planalto. Ele já havia sido cotado para o Ministério dos Esportes, mas foi preterido por um acordo político do Governo com o PRB. Edinho ainda recusou a Autoridade Pública Olímpica (APO), órgão responsável pela organização das Olimpíadas.

Publicidade

Verba

A Secretaria de Comunicação é um sonho antigo do PT. Com a entrada do partido no comando da pasta, o PT será responsável agora por algo em torno de R$ 5 bilhões anuais em propagandas e patrocínios, segundo números apresentados pela Secom em 2013, ano do último balanço disponível.

Com a verba nas mãos do PT, a sugestão do presidente do partido, Rui Falcão, de diminuir a cota de patrocínios para os meios de comunicação reconhecidamente contra o governo tende a ocorrer. O objetivo é aumentar a verba para a mídia pró-governo.