O atual presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pretende aprovar um projeto de sua autoria o quanto antes. É a PEC 451/2014 que visa a obrigatoriedade de todas as empresas pagarem aos seus funcionários um plano de saúde. O "porém" dessa PEC é que além de Cunha ter tido sua campanha financiada por uma seguradora de saúde, os políticos não irão mais se ver obrigados a investir no SUS, que é gratuito e universal para o brasileiro.

Cunha é um dos grandes representantes das empresas de telecomunicações no Plenário, já que teve uma atuação veemente contra o Marco Civil na internet. Agora também representa os planos de saúde, sendo um dos segmentos que mais investiu em candidaturas no ano passado.

Publicidade
Publicidade

Foram R$ 52 milhões em doações, distribuídos em 23 partidos. Eduardo Cunha recebeu R$ 250 mil, o terceiro maior valor, repassado pelo Saúde Bradesco.

Não é de hoje que Eduardo Cunha tenta aprovar projetos que beneficiem os planos particulares. Ainda em 2014, foi o relator da Medida Provisória 653/2014, vetada pela presidente Dilma Rousseff, que livrava os planos de uma dívida de R$ 2 bilhões em multas. Assim que assumiu a presidência da Câmara, ele engavetou o pedido de criação da CPI dos Planos de Saúde, que teve como autor o Deputado Ivan Valente (PSOL-SP). O projeto já tinha 201 assinaturas de deputados, 30 a mais do que o mínimo para ser criada a Comissão Parlamentar de Inquérito.

Caso essa PEC seja aprovada, Cunha abre um mercado enorme para os planos, que já é muito grande, cerca de 50 milhões de brasileiros.

Publicidade

CPI dos planos de saúde

O Deputado Ivan Valente, autor da CPI, critica o projeto de Cunha e afirma que isso só irá fortalecer a saúde privada e enfraquecer o SUS. Valente também disse que irá entrar com um mandado de segurança no STF para tornar viável a CPI que foi engavetada por Cunha.

Valente reforça seu pedido de CPI, e de reforma política, ao evidenciar um problema, que ocorre quando há financiamento privado para as campanhas e que é necessário denunciar essas ações e suas consequências para a população. #Governo