Quando pensa-se que a política brasileira não mais surpreenderá, ela trata de pregar uma nova peça ao povo brasileiro. O vereador Sedinei Catafesta, do Partido Republicano da Ordem Social (PROS), fez de uma rotineira sessão na Câmara de Vereadores do município de Farroupilha (RS), um verdadeiro evento na cidade, nesta segunda-feira (10), ao levar um aparelho #Lava Jato ao plenário para discursar sobre o mais novo escândalo de #Corrupção no país. O episódio ganhou força com a repercussão nas redes sociais nesta terça-feira (11).

Ele explica: para Catafesta essa atitude não passou de um método simbólico de mostrar sua indignação e salientar que os envolvidos no escândalo de corrupção da Petrobras necessitam ser "lavados" da boa política.

Publicidade
Publicidade

Embora já tenha sido filiado ao Partido Progressista (PP) - que têm 32 membros presentes na lista divulgada pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot -, o político entende que esses quadros devem ser excluídos da sigla.

Desses 32, seis são do estado do Rio Grande do Sul: Jerônimo Goergen, Afonso Hamm, Renato Molling, Luiz Carlos Heinze, José Otávio Germano e Vilson Covatti - este último, ex-deputado sem mandato no momento.

"Por muito menos, apenas por ter votado contra uma orientação que vinha do partido, fui parar na Comissão de Ética do PP. O que eu espero agora é que o presidente estadual, Celso Bernardi, faça o mesmo com os envolvidos da Lava Jato. O PP acabou", sentenciou Catafesta.

O mais curioso de tudo é que o vereador-manifestante não tem um passado tão limpo assim.

Publicidade

No dia 18 de dezembro de 2014, enquanto exercia o mandato de presidente da Câmara de Farroupilha (RS), Catafesta teve de assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), na Procuradoria da Justiça local, para evitar ajuizamento civíl. O vereador era acusado de ato de improbidade administrativa em função do uso indevido de verba pública pela locação de veículo para viagem particular ao município litorâneo de Imbé (RS), em 13 de fevereiro do mesmo ano. Convém lembrar um certo ditado: quem puxa aos seus, não puxa aos outros.