A abertura de 28 pedidos de inquérito contra 54 pessoas foi encaminhado nesta terça-feira (3) pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal. O pedido se estende a parlamentares que possuem ou não mandato, e que foram citadas pelos delatores da Operação #Lava Jato como beneficiárias do esquema de #Corrupção na #Petrobras.

Além de parlamentares envolvidos do PT, PSB, PP e PSDB, Renan Calheiros (AL), presidente do Senado, e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), já foram avisados que seus nomes constam na lista de corrupção entregue ao Supremo.

Contudo, sete solicitações de arquivamento foram enviadas ao ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, responsável por relatar os fatos relativos ao esquema de lavagem de dinheiro e corrupção da Petrobras.

Publicidade
Publicidade

O pedido foi feito por meio do procurador-geral, Rodrigo Janot. O arquivamento não exclui necessariamente os envolvidos da investigação, apenas arquiva o pedido referente a um fato, e os outros crimes continuam sendo investigados.

Zavascki recebeu os pedidos de inquéritos em caixas no seu gabinete, onde, nesta quarta-feira (4), uma nova lista deve ser encaminhada ao Supremo Tribunal de Justiça, que é responsável pela liberação das investigações contra governadores.

A lista com o nome dos envolvidos no caso de corrupção da Petrobras ainda não foi divulgada pelo STF, em razão de o caso estar sob sigilo de Justiça. Entretanto, Teori já deu sinais de que a lista poderá ser divulgada, e que na lista existem pessoas com mandato e sem mandato, além de pessoas que foram citadas por estarem diretamente ligadas com os políticos envolvidos no caso.

Publicidade

O ministro está analisando e decidirá se os nomes dos políticos que foram citados e que não possuem direito a voto, ou seja, aqueles que não são parlamentares com mandatos, serão investigados pelo Supremo, ou se os processos serão divididos. Neste caso, parte dele seria enviada à Justiça Federal no Paraná, responsável pelos envolvidos que não possuem foro privilegiado, que são os doleiros, empreiteiros, operadores e Ex-diretores da Petrobras.