Nos últimos 50 anos, houve pelo menos, 4 grandes manifestações que marcaram o Brasil. A primeira foi a "Passeata dos 100 mil", ocorrida em 1968. A segunda foi a "Diretas já", que se deu no ano de 1984.

Passados 8 anos, o povo insatisfeito tomou conta das principais cidades do Brasil, dessa vez, pedindo o impeachment do presidente Fernando Collor de Melo. Em 2013, mobilizado pelas redes sociais e mídias independentes, a população brasileira mais uma vez, foi às ruas e pediu um basta, na onda de corrupção que envolvia o atual governo (PT).

Entretanto, 15 de março de 2015, é um daqueles dias para ficar registrado nos anais.

Publicidade
Publicidade

Vestidos à caráter - verde e amarelo -, com apitos, vuvuzelas e o sentimento de patriotismo estampado no peito, mais de 2.000.000 de brasileiros, movidos pelo sentimento de mudança, decidiram ir às ruas em protesto contra a corrupção e contra o governo da presidente Dilma Rousseff - PT; algumas cidades no exterior também participaram do movimento.

A concentração em São Paulo - local onde se reuniu o maior número de manifestantes - foi liderança pelos movimentos, "Vem Pra Rua", "Revoltados Online", "Movimento Brasil Livre" e S.O.S Forças Armadas.

Durante o protesto em São Paulo, os manifestantes não paravam de gritar: "Lula cachaceiro devolva o meu dinheiro, A nossa camisa jamais será vermelha, Sai do sofá e vem pra rua, Fora Dilma, Eu vim de graça".

Em pronunciamento agora a noite, o ministro da justiça, José Eduardo Cardozo, disse que a #Manifestação é democrática, porém acrescenta: "Pedido de impeachment é revanche por derrota nas eleições.

Publicidade

Para o ministro, apesar do ocorrido, o governo permanece inabalado.

"Quem foi eleito por quase 55 milhões de votos e tem claro compromisso com a democracia, não está fragilizado", finaliza.

Pró-Dilma

Enquanto ocorria os protestos pelo Brasil, um pequeno grupo entre 100 e 150 pessoas, na cidade de Porto Alegre - RS, decidiram organizar um churrasco em favor do atual governo e contra o impeachment; o que gerou revolta entre os manifestantes.

As mobilizações foram organizadas pelas redes sociais nos últimos dois meses.