Já se foi o tempo em que organizar uma #Manifestação popular, que abrangesse todo o território nacional, era tarefa quase impossível. Hoje, através das redes sociais, grupos organizados espalham a notícia em poucas horas, obtendo resposta quase imediata de participação da população. Apesar da palavra assustadora, impeachment, velha conhecida dos brasileiros devido ao caso Collor, ocorrido em maio de 1992, mais uma vez o povo promete ir às ruas com o mesmo propósito.

É reconhecido por muitos, inclusive, pela oposição (consideradas as declarações do então candidato derrotado nas últimas eleições Aécio Neves), que não é a melhor opção.

Publicidade
Publicidade

Um impeachment implica em uma #Crise ainda maior do que a atual. Mas, o que leva tanta gente a se manifestar a favor da queda da atual Presidente? Juros altos, inflação em alta, crises energética e hídrica, corrupção na Petrobrás, são alguns exemplos do que faz com que tantos queiram se manifestar contra o governo.

Tendo como principal organizador o Movimento Brasil Livre, está marcada para o próximo domingo, dia 15 de março, uma manifestação de âmbito nacional e internacional. Estima-se que só em São Paulo, cerca de 100 mil pessoas se reúnam no MASP, a partir das 14 horas. Além das capitais, outras cidades importantes do país, e até Sidney, na Austrália, estão agendadas para participar.

Segundo sua página na rede social Facebook, o "Movimento Brasil Livre é uma entidade apartidária que visa mobilizar cidadãos em favor de uma sociedade mais livre, justa e próspera".

Publicidade

E com esse discurso, conquista a simpatia dos mais diversos grupos, também organizados, assim como de indivíduos, que ali encontram uma forma de protestar contra o que consideram que não vai bem no país.

Não convencidos pelo discurso da Presidente Dilma no último domingo, Dia Internacional da Mulher, milhares de pessoas seguiram as recomendações de se manifestar seja fazendo "panelaço", seja piscando as luzes de casa, enquanto Dilma discursava em rede nacional. O que se viu foi o poder da tecnologia que, através das redes sociais, atinge e mobiliza um número cada vez maior de insatisfeitos e faz com que todos tenham a mesma atitude.

A data promete reunir desde o mais simples cidadão, preocupado apenas com sua conta de luz ou a falta de água em casa, ao mais sofisticado, preocupado com a economia do país, em um protesto que poderá definir os novos rumos do governo brasileiro.