Já virou um mantra. Para o Partido dos Trabalhadores (#PT), somente o financiamento 100% público de campanhas eleitorais poderá estancar a raiz dos problemas crônicos de corrupções, em pequena ou larga escala, que estampam os noticiários do país, dia após dia, deixando a polução ainda mais atônita.

Em meio a um escândalo envolvendo o pagamento de propina a deputados de diferentes partidos com recursos da Petrobras, o que gerou mais uma CPI em curso, a mudança nas regras vigentes sobre as doações em períodos de eleição voltou com força ao centro de debate político.

Executado em sua plenitude, com a proibição de doações privadas, o sistema de financiamento 100% público ocorre em apenas um país do mundo.

Publicidade
Publicidade

Localizado no interior do continente asiático, o Butão é o único exemplo de execução desse formato, tão debatido no Brasil. Democracia jovem, que ainda engatinha, o Butão deixou em 2008 de ser uma monarquia absolutista e, enfim, realizou suas primeiras eleições.

Outros 39 países espalhados pelo mundo também proíbem a doação de empresas, no entanto, a proibição da contribuição de pessoas físicas é uma exceção presente apenas no pequeno país da Ásia.

De acordo com um estudo realizado pelo Instituto Internacional pela Democracia e Assistência Eleitoral (Idea), o financiamento público para campanhas de candidatos e partidos é utilizado, em pequeno, médio ou grande porte, em 118 países. Casos como: Itália, Espanha, México e Colômbia, permitem que esse sistema atinja a cota de quase 80% dos gastos totais de campanha.

Publicidade

No Brasil, atualmente, todos os partidos possuem acesso a recursos públicos e doações privadas - que corresponde à fatia mais gorda do montante total declarado. Boa parte dos partidos tem nas empreiteiras uma boa fonte de recursos. Temendo futuras dificuldades na captação desses capitais, após o desmembramento da Operação 'Lava-Jato', senadores e deputados trataram de agir rápido e triplicar a verba do fundo dos partidos para R$ 867,56 milhões, ainda neste ano, em medida anunciada há duas semanas. #Corrupção