O ministro da #Educação, ex-governador do Ceará, Cid Gomes (PROS-CE), foi internado na noite da última terça-feira (10) no Hospital Sírio-Libanes, em São Paulo, sob suspeita de pneumonia. O boletim médico divulgado na manhã desta quarta-feira (11) informou que, após exames, o ministro foi diagnosticado com traqueobronquite aguda (inflamação nos canais que levam o ar aos pulmões).

Cid Gomes estava nos Estados Unidos participando de um seminário na Universidade de Yale, onde a temperatura chegou a -11º devido a frente fria que atinge o país, e regressou no início da semana para o Brasil com febre e problemas respiratórios.

Publicidade
Publicidade

O dia de hoje estava marcado para a retratação oficial do ministro na Câmara dos Deputados após polêmica declaração feita durante visita à Universidade Federal do Pará (UFPA) no último dia 27.

O ministro afirmou que: "Tem lá uns 400 deputados, 300 deputados que, quanto pior, melhor para eles. Eles querem é que o #Governo esteja frágil porque é a forma de eles achacarem mais, tomarem mais, tirarem mais, aprovarem as emendas impositivas".

Os deputados aprovaram no último dia 4 a convocação do ministro após a interpelação judicial apresentada pelo Deputado Federal Raul Jungmann (PPS-PE), que pedia a retratação da fala de Cid. O Supremo Tribunal Federal (STF), por meio do ministro Celso de Mello, notificou o responsável pela pasta de Educação.

A assessoria do Ministério da Educação já protocolou pedido na Câmara para adiar a convocação do ministro e a remarcação de nova data.

Publicidade

A Secretaria-Geral da Mesa da Câmara dos Deputados ainda não apresentou nova agenda para a visita de Cid Gomes à Casa. A assessoria também informou que, por conta do estado de saúde, o ministro já havia cancelado participação em um evento em Santo André, em São Paulo, no último dia 9.

Ofício do MEC

"Em razão de o Ministro Cid Ferreira Gomes ter sido acometido de doença que provocou sua internação (...) sem definição a respeito da respectiva alta médica, ele não poderá comparecer à convocação", consta no documento assinado pelo ministro interino da Educação, Luiz Cláudio Costa.