A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do HSBC realizou, nesta quinta-feira (26), sua primeira reunião oficial para a prestação de depoimentos. No encontro foi aprovado um convite ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, para prestar esclarecimentos de quais foram as medidas tomadas pelo governo brasileiro a respeito das 8.667 contas no banco na Suíça ligadas a brasileiros que podem ter cometido #Crime de evasão fiscal.

A CPI ainda aprovou convites para o presidente do Conselho de Controle das Atividades Financeiras (Coaf), Antônio Gustavo Rodrigues e o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid. Os depoimentos serão dados em uma audiência pública, ainda sem data marcada, como foi sugerido pelo vice-presidente da Comissão, o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP)

Na mesma leva de requerimentos aprovados pela CPI, foi solicitada a totalidade da lista que vazou com todos os correntistas para o jornalista Fernando Rodrigues do portal UOL, que vem realizando uma série de reportagens sobre o caso junto com o jornal O GLOBO.

Publicidade
Publicidade

O colunista negou o pedido da Comissão e sugeriu que a solicitação fosse feita ao governo francês. O relator da CPI, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), sinalizou positivamente para a sugestão.

Investigações

O jornalista do UOL, que é integrante do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, que recebeu de um funcionário do banco o vazamento da lista, e vem realizando a cobertura exclusiva no Brasil do caso, foi ouvido pela CPI nesta quinta-feira e afirmou que a Comissão irá entender como funciona um paraíso fiscal e o esquema ao se depararem com os dados. Segundo o jornalista, esse é o maior vazamento de dados do ocorrido.

O passo seguinte nas investigações da CPI será um encontro com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot e com o secretário de Relações Internacionais da Procuradoria-Geral da República, Vladimir Aras na próxima semana para conversarem sobre a possibilidade do compartilhamento de informações da Justiça com a Comissão.

Publicidade

#Corrupção