A ex-petista Marta Suplicy já mira o próximo objetivo: a prefeitura de São Paulo em 2016. O presidente nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB), adiantou, nesta terça-feira (28), que ela está confirmada pela legenda na disputa do ano que vem. Em entrevista concedida em Brasília, Marta salientou que as negociações com o PSB estão adiantadas e que deixou o Partido dos Trabalhadores (#PT) por se sentir absolutamente "traída".

A ex-Ministra da Cultura ainda não tem oficializada a sua filiação ao novo partido, o que deverá ocorrer somente no mês de junho. "Está tudo certo, em ordem. Não tem problema algum.

Publicidade
Publicidade

Assim que ela estiver filiada será automaticamente nossa candidata oficial para São Paulo no ano que vem", garantiu Siqueira.

Em discurso no Senado, Marta entrou em detalhes sobre a sua saída do PT, que, na visão dela, abandonou completamente os seus princípios éticos. "Eu tenho os meus princípios éticos e vi que o partido que eu ajudei a fundar rompeu com todos eles. Não havia mais ambiente e nem tenho mais vontade de estar em um partido que me senti, assim como diversos petistas, traída", desabafou a política.

Ela admitiu que há, de fato, uma grande possibilidade de concorrer à prefeitura de São Paulo nas eleições municipais de 2016 e enfrentar muito provavelmente o candidato da situação, o petista Fernando Haddad, a quem Marta é crítica. "Eu sou paulistana, e sou extremamente crítica com a forma que a cidade está sendo governada.

Publicidade

É uma possibilidade fortíssima (sobre concorrer ano que vem)".

Por fim, a senadora disse que não acredita que o PT consiga reverter na justiça o direito do seu mandato por infidelidade partidária. "Há conosco uma manifestação direta do Procurador-Geral da República que garante que o mandato majoritário é de quem recebeu os votos, não do partido político. Eu fui votada por mais de 8 milhões de pessoas", destacou Marta, antes de afirmar que, a partir de agora, pretende levar o seu mandato independente do #Governo da presidenta Dilma Rousseff.